Receba nossa newsletter e fique por dentro do mundo do esporte!

PUBLICIDADE

A cadência ideal na corrida

A cadência ideal na corrida

A definição do termo cadência é basicamente a quantidade de passos que você dá durante um minuto.

Mas por que a cadência na corrida é tão discutida e até que ponto isso é necessário para transformar sua biomecânica e desempenho?

Cadências menores resultam em passadas mais largas, mais altas ou uma mistura de ambas.

Ou seja, significa gastar mais energia deslocando todo o peso do seu corpo muito para a frente e/ou para cima, quando comparamos com cadências maiores, que favorecem movimentos mais curtos com gasto energético menor, por passada.

Uma única impulsão do corpo durante a corrida exige a movimentação de muitas articulações, gerada pela ação de músculos.

Cada articulação possui uma amplitude de movimento ideal, gerada por músculos que possuem um comprimento ideal de contração.

Quando estes dois elementos são forçados até o limite, aumentam as chances de lesões, além de comprometer o desempenho.

É o que pode acontecer quando a pessoa possui cadências muito baixas (por exemplo, em torno de 140).

Leia mais

Teste de suor: avaliação de profissionais à disposição de amadores

Americano de 7 anos é fenômeno nos 100 m e conquista internet

Pitaya, a fruta que ajuda a evitar dores e fadiga muscular

Por outro lado, quando músculos e articulações trabalham sempre no mínimo de suas amplitudes, até podem ser eficientes e fugir de muitas lesões, principalmente as relacionadas ao impacto).

No entanto podem ser tornar mais rígidas, com flexibilidade reduzida e facilmente machucadas quando tiverem que realizar movimentos mais amplos repentinos (por exemplo, pular um obstáculo visto em cima da hora).

Este seria o caso extremo, de uma pessoa com cadência muito alta (acima de 200). Para entender na prática, dobre seu cotovelo ao máximo e peça para alguém tentar desdobrá-lo por 5 segundos.

Em seguida deixe-o a 90 graus e peça que a pessoa aplique a mesma força. Finalmente estenda quase todo o cotovelo e não deixe que a pessoa termine de esticá-lo, pedindo que faça a mesma força.

Vai sentir que nos extremos, o músculo cansa mais. Apesar de fazer força quando o cotovelo está a 90 graus, o músculo executa uma contração mais confortável.

Em cada músculo dos nossos membros inferiores é a mesma coisa, isto é, existe uma amplitude confortável e eficiente. E a cadência é um dos jeitos de controlar isso. 

Só que a ideia de controlar a cadência funciona apenas em treinos de esteira, pistas e ruas bem cuidadas.

Provas de montanha, por exemplo, dependendo do terreno a última coisa que você vai precisar é da cadência.

Isso porque existem buracos, pedras, desníveis, troncos e uma diversidade de obstáculos que te fazem mudar o tamanho do passo constantemente.

Um corredor de montanha tem mais riscos de lesões e, portanto, seu melhor lugar para treinos é em trilhas acidentadas — e não na esteira, contando os passos. 

Para finalizar, tome cuidado com as informações. Nem todas servem para você. Tem gente que se beneficia muito ao controlar a quantidade de passos por minuto, mas tem gente que perde a fluidez na corrida exatamente porque fica mais atento aos passos do que ao prazer de correr solto.

Tenha bom senso, experimente, faça testes e no final tire suas próprias conclusões. Independentemente da contagem, continue dando passos!

Os textos, informações e opiniões publicados nesse espaço são de total responsabilidade do autor. Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Ativo.com

Sobre o autor

Marcel Sera

Fisioterapeuta, palestrante e atleta amador! A ideia, aqui, é explicar como usamos e o que acontece com o nosso corpo em cada situação, ação e emoção de nosso dia-a-dia. Correr é uma... VEJA MAIS

Compartilhe por email!