Receba nossa newsletter e fique por dentro do mundo do esporte!

PUBLICIDADE

Maraturismo: como a corrida de rua impulsionou o turismo no Brasil e no mundo

Foto: Reprodução

No primeiro domingo de junho deste ano, o sol ainda não havia dado as caras e um numeroso grupo de corredores já se servia por volta das 4 horas, no salão do café da manhã no Hotel Castelmar, próximo à Beira-Mar de Florianópolis. Antecipar o horário do café da manhã não foi uma exclusividade do Castelmar naquele final de semana, já que a capital catarinense foi invadida por 9.500 turistas que viajaram para disputar os 42k de Floripa.

Os “maraturistas”, neologismo que mescla as palavras “maratonista” com “turista”, vêm se espalhando pelo Brasil e pelo mundo nos últimos anos. O crescimento das provas de corrida de rua impulsionou o turismo e fez com que mais pessoas unissem a paixão pela modalidade à vontade de viajar, seja para destinos nacionais ou até mesmo internacionais.

A disparada do dólar e a crise econômica do Brasil não impediram que as agências especializadas em pacotes voltados para corredores tivessem números expressivos – embora a instabilidade do país colabore para que alguns clientes cancelem seus pacotes. Com 30 anos de experiência no segmento, a Kamel Turismo levará 500 brasileiros (entre participantes e acompanhantes) para a Maratona de Nova York, no início de novembro. Em 1988, ano de “estreia” da Kamel na Big Apple, foram cerca de 40 brasileiros. Não é uma falsa impressão: os brasileiros estão cada vez mais presentes nas majors. Em 2017, dos 40 mil corredores que estiveram na Maratona de Berlim, 916 eram brasileiros.

“Estamos levando mais gente porque há mais pessoas correndo hoje em dia. Quem começou com 5 km há alguns anos hoje corre maratonas. Quem já estava disputando maratona continua com esse hábito. Obviamente, a situação econômica é um empecilho. Tivemos muitos cancelamentos neste ano. Algumas pessoas conversam conosco e nós entendemos que é um problema financeiro. Se o Brasil estivesse em um momento de estabilidade econômica, o boom seria muito maior”, analisa Elisabet Olival, fundadora da Kamel.

 

Cada um sabe a dor e a delícia de correr a Maratona de Nova York. Um post para entrar no clima.
Agência levará 500 brasileiros para a Maratona de Nova York 

O SEBRAE aponta que 43% dos corredores brasileiros têm entre 25 e 35 anos. No entanto, a fatia que destina suas economias ao “maraturismo” no exterior é um pouco mais velha. Olival observa que a maioria de seus clientes é formada por homens a partir de 38 anos, que transformam uma jornada solitária de 42.195 metros em um programa familiar.

“O maratonista não costuma ser muito novo. São pessoas que estão bem profissionalmente, estabilizadas. Algumas vezes, levam a mulher e os filhos. Acabou o preconceito de deixar a criança em casa. E também acontece uma socialização nos destinos. Como o nível social é bom, todo mundo acaba falando a mesma língua”, acrescenta.

Em provas com forte apelo turístico, é natural que os corredores conheçam novas pessoas e vivenciem o esporte nos dias em que estão viajando, com trocas de informações e experiências entre os atletas. Em uma competição “caseira”, disputada na mesma cidade onde corredor vive, a experiência tende a ser mais individualizada.

“O que muitos brasileiros entenderam é que correr não faz bem apenas para o corpo. Há benefícios mentais, como o estímulo do raciocínio rápido e a melhora da concentração, além da interação social nos treinos e nas competições. Ou seja, a corrida de rua é boa para o cérebro, o físico e até para o turismo”, explica o psicólogo Augusto Jimenez.

Diferentemente do que acontece em uma viagem comum de férias, é preciso tomar alguns cuidados para que a empolgação por estar em um novo ambiente não comprometa meses de treinamento.

“O pessoal que levamos não fica muito paranoico, mas é preciso pegar leve. Não dá para bater perna pela cidade na véspera da prova. E tem que deixar para cair na cerveja e no vinho depois de correr”, lembra Olival.

Entre os corredores, tem sido cada vez mais frequente conhecer outras cidades e culturas diferentes através da corrida. “Com o dólar do jeito que está, não dá para viajar duas vezes, uma para correr e outra para conhecer. Você corre e também aproveita para curtir”, frisa a dona da Kamel.

Em abril de 2018, a Kamel levou 60 brasileiros para Boston. Os pacotes, que, além da inscrição, incluíam hospedagem por cinco noites em hotel quatro estrelas, foram vendidos por 2.800 dólares por pessoa (cerca de R$ 9.500 na época).

 

Leia mais

Da roça para uma major: a história de Cipó, o melhor brasileiro em Berlim

Maratona de Nova York: uma experiência inesquecível

Maratona de Nova York: os encantos da maior do mundo

 

Maraturismo pelo Brasil

Provas famosas, como a Maratona de São Paulo, ou competições realizadas em cidades com forte apelo turístico, caso dos 42k de Floripa e da Maratona do Rio, são as queridinhas dos “maraturistas” que se aventuram em solo nacional. Apostar em pacotes com provas de corrida foi uma das estratégias da Minds Travel, agência localizada em Maringá, no Paraná, para driblar a crise econômica do Brasil.

Em solo nacional, o tíquete-médio do corredor-viajante é mais baixo (de R$ 800 a R$ 1000, já considerando passagem aérea e hotel) e o tempo de permanência, mais curto (um final de semana).

“O pessoal gosta de correr com uma praia bonita, um clima gostoso, uma paisagem legal. Se o destino é turístico, a pessoa não vai só para correr”, afirma Lorena Peretti, agente da Minds Travel.

A estudante de nutrição Bruna Ruschel, de 20 anos, já começou a desbravar o Brasil através das provas de corrida. Há dois anos, ela viajava com as amigas para curtir as baladas e a badalação de Jurerê Internacional, em Florianópolis. Neste ano, os planos foram diferentes: a paulistana se manteve longe da noitada e preferiu perseguir um bom tempo nas ruas e avenidas da capital catarinense.

Incentivada por amigas, Bruna correu a São Silvestre em 2016 e gostou da atmosfera que encontrou. Aos poucos, foi abandonando o estilo de vida que levava e mergulhou de cabeça na corrida e nas viagens. Daquela edição da São Silvestre para cá, já marcou presença em provas no Rio, em Florianópolis, Porto Alegre e Natal.

“Correr fora da sua cidade é especial. Você sai da rotina e também acaba tendo momentos de lazer, até porque não sou uma profissional”, conta.

Bruna Ruschel trocou as baladas pelo “maraturismo”

Com planos de fazer um intercâmbio na Europa em 2019, Bruna já começa a estudar as maratonas que pretende disputar enquanto estiver no Velho Mundo. As maratonas de Berlim e do Porto estão entre os prováveis destinos.

“Algumas pessoas da minha idade não entendem o meu novo estilo de vida. Não veem isso como aproveitar a vida. Dizem que maratona faz mal, que não é saudável por ter um volume muito alto. Mas beber e fumar também não é saudável. Estou feliz com as minhas escolhas”, finaliza.

Calendário

Encontre um evento de corrida perto de você!

excluir cat: nao, desativa sempre post: nao, ativa sempre post: nao
Compartilhe por email!