Receba nossa newsletter e fique por dentro do mundo do esporte!

PUBLICIDADE

Qual seu tipo de pisada: neutra, pronada ou supinada?

Foto: Shutterstock

A forma como os pés tocam o chão tem influência direta em diversos fatores que interferem na corrida. Desde a escolha do modelo de tênis mais adequado, ao surgimento de lesões. Existem três tipos de pisada: neutra, supinada e pronada, em uma classificação feita de acordo com o modo que o pé apoiado a cada passo.

A forma de se pisar é determinada por diversas características anatômicas de cada indivíduo, como o formato dos pés, alinhamento dos joelhos e até a flexibilidade das articulações. 

Os diferentes tipos de pisada

Pisada neutra

A pisada neutra ocorre quando o pé atinge o solo de maneira uniforme, com o peso distribuído de maneira praticamente igual por toda a planta. Para muitos ortopedistas, esta é considerada a pisada mais correta por favorecer a absorção do impacto pelo corpo sobre as articulações.

Pisada pronada

Já a pisada pronada, também muito comum em atletas, ocorre quando o apoio do pé no chão é feito primeiro com a parte interna do pé. Geralmente isso ocorre pela rotação interna excessiva do pé e do tornozelo.

“Pessoas que têm pisada pronada, costumam desgastar a parte lateral interna do calçado”, explica o ortopedista Caio Magnoni.

Segundo o médico, em casos extremos, a pronação pode acarretar desalinhamento dos tornozelos, joelhos e quadris. Uma forma de impedir que o quadro evolua a ponto de causar lesões é fazer o fortalecimento da região.

Pisada supinada

A pisada supinada é e exatamente o oposto da pronada. Ocorre quando o pé faz contato com o chão prioritariamente com a parte externa da planta. Corredores que têm esse tipo de pisada geralmente observam um desgaste maior no lado de fora da sola de seus tênis.

Como nestes casos o peso do corpo do corredor fica nos dedos de fora, menores, a longo prazo podem surgir lesões, principalmente nos joelhos, pés e costas.

“Os problemas não surgem de imediato. Inicialmente, é comum ter bolhas, rachaduras e tendinites; e, posteriormente, lesões mais graves como joanete e artrose”, pontua o ortopedista.

 

Identifique seu tipo de pisada

 

 

A maneira mais correta de descobrir qual é o seu tipo de pesada é procurando um ortopedista, de preferência especializado em tornozelo e pé. Algumas lojas especializadas em tênis também oferecerem avaliação baropodométrica, na qual uma esteira com sensor identifica qual é o seu entre os três diferentes tipos de pisada, a partir do impacto do pé no equipamento. 

Contudo, caso o acesso a esses métodos seja inviável, testes caseiros podem ajudar. “O diagnóstico é bem simples: primeiro pode-se analisar um calçado bastante utilizado no dia e ver qual área está mais gasta. Outro meio é pegar um jornal, molhar o pé e pisar sobre ele para observar a marca”, ensina o ortopedista.

 

Leia mais

Isquiotibiais: como evitar e tratar lesões no posterior da coxa

Tudo novo de novo: como retomar os treinos após as férias

5 exercícios de força para se tornar um corredor melhor

 

Além da corrida

No cotidiano, os calçados que usamos não costumam ter a tecnologia que os tênis de corrida oferecem para os diferentes tipos de pisada.  Segundo Magnoni, no entanto, isso não chega a ser um problema, pois no trabalho ou nos afazeres diários a demanda que atribuímos aos pés é muito menor do que quando fazemos atividade física.

“Ter pisada pronada ou supinada não é defeito, é apenas a forma do pé. É possível viver bem com esse formato sem precisar fazer tratamentos. Fora do cenário esportivo, 90% dos casos são assintomáticos, já os problemas que são sintomáticos costumam estar relacionados a problemas mais sérios, aí é necessário um diagnóstico mais elaborado”, explica o ortopedista.

Calendário

Encontre um evento de corrida perto de você!

excluir cat: nao, desativa sempre post: nao, ativa sempre post: nao
Compartilhe por email!