Receba nossa newsletter e fique por dentro do mundo do esporte!

PUBLICIDADE

A pressão das redes sociais

A pressão das redes sociais

Desde que me conheço uso redes sociais. Começou em meados dos anos 2000 com Orkut, Twitter, Facebook e Instagram. Na mesma velocidade que elas se elevaram, outro filão veio na esteira: as mídias sociais. Vejam que separo redes e mídias como duas coisas distintas.

Vivemos uma era em que é mais importante parecer do que ser. Essa pressão pela imagem, que muitas vezes extrapola o narcisismo, está presente cada vez mais nas corridas. E não é novidade que de tempos para cá, infelizmente, é mais importante aparecer e parecer do que correr.

Nada contra quem quer e gosta de compartilhar seu dia a dia de treinos, postar suas competições, seus equipamentos. Eu, particularmente, adoro compartilhar – isso me motiva a não perder meus treinos. Mas tento não deixar que a pressão externa da internet pressione meu lado corredor.

 

Leia mais

Fake news no mundo running: cuidado para não ser outra vítima

Etiqueta na corrida: como correr sem atrapalhar ninguém

Como manter sua segurança na corrida

 

Talvez, no meu caso, seja resquício por competir antes de existir internet, quando aquele ‘treino matador sub-pace amigo-caveira’ feito com sucesso era guardado para mim e para meu treinador. Entendo que o mundo evoluiu e esse estilo de vida está presente, é irreversível e temos que acompanhar às tendências. Mas, isso não quer dizer que não devemos impor limites.

Já ouvi casos de pessoas que abortaram seus treinos pois o GPS perdeu o sinal e assim não seria possível compartilhar com amigos e desconhecidos em redes sociais.

A cultura corrida-treino-exposição se intensificou nesta década com o desenvolvimento do smartphone, que no Brasil só tem quase 10 anos. Mas a corrida em sua essência está imutável há décadas. Correr é um ato de colocar um pé na frente do outro, como lembrou um amigo, “se possível cada vez mais rápido se possível”, salientou.

Reitero, nada tenho contra quem quer utilizar as redes e mídias sociais, mas é preciso acender um sinal de alerta quando extrapolam-se limites.

Já li a frase que “desistir não era a opção”. E não confundamos a pressão por desistir, simplesmente, por precisar sair para correr no frio ou chuva, daquele desistir porque você não está bem ou realmente indisposto.

Neste último caso, desistir, é sim, uma obrigação! Às favas o que vão pensar!

“Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é”, disse Caetano.

Dicas para não se influenciar pela pressão das redes sociais

  • Treine, antes de tudo;
  • Compartilhe sua vida de corredor na rede, mas imponha limites;
  • Procure não especificar tempos. Corra, dê seu melhor, curta o momento e procure atravessar a linha de chegada, mas não a todo custo;
  • Corredores-raiz usam o termo “quebrar” para o ato de não conseguir manter o pace médio pré-estabelecido. E quebrar é mais comum do que se imagina;
  • Desistir ou não atingir um tempo pré-estabelecido não é vergonha para ninguém. Mas quanto menos pressão externa o corredor tiver durante a prova, mais fácil fica para o objetivo ser alcançado.

‘Show me, don’t tell me’, já cantou o poeta.

Os textos, informações e opiniões publicados nesse espaço são de total responsabilidade do autor. Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Ativo.com

Sobre o autor

Harry Thomas Jr

Jornalista especializado em corridas de rua desde 1999, Harry competiu pela primeira vez em 1994 e desde então já completou 31 maratonas – sendo três sub 3 horas: São Paulo (2h59min30)... VEJA MAIS

Compartilhe por email!