Receba nossa newsletter e fique por dentro do mundo do esporte!

PUBLICIDADE

Aprendizados do El Origen Aconcágua

Aprendizados do El Origen Aconcágua

Provas de montanha nos proporcionam aprendizados constantes. Sempre deixamos a montanha muito mais espertos. Ter passado quatro noites acampada no El Origen Aconcágua, realizado entre os dias 1 e 3 de março em trilhas entre a Argentina e o Chile, foi para mim como obter meu “Doutorado da Montanha”.

Corredora experiente que sou em provas longas disputadas em etapas – já corri seis nesse modelo – uma semana após o El Origen resolvi fazer um balanço relacionando o que deu certo e o que deu (muito) errado para mim.

E como no final é o que não deu certo que realmente interessa, vamos lá:

Aprendizados do El Origen

Barraca

A-d-o-r-o a minha mini camp Aztek. É leve (1,9 kg) e fácil de montar (uma única vareta). Embora em teoria comporte duas pessoas – ainda que dois pigmeus, na prática cabe apenas uma e uma mala minimalista. Meus specks de alumínio não eram adequados para o solo extremamente duro de Portillo. Tive que improvisar na hora de montá-la pedindo pregos especiais para a organização.

Aprenzidado

É sempre bom tentar conferir o solo antes de acampar. Dei muita sorte em conseguir os pregos. A barraca ficou em pé, mas longe de estar perfeitamente armada, o que é um transtorno, pois ela fica “mole” e acaba deixando o ar frio entrar. A temperatura bateu os -3◦C. Acordei todos os dias congelada.

Colchão

Em vez do meu tradicional thermarest (mini colchão autoinflável), resolvi levar um colchão inflável “de verdade” para garantir uma boa noite de sono na esperança de atingir, assim, uma melhor recuperação. O colchão era enorme. Tomou todo o espaço da barraca. Além de me sentir dormindo em um aparelho de tomografia, só consegui guardar minha mala porque minha querida amiga e vizinha Paty Andrade cedeu espaço na varanda da sua barraca.

Aprendizado

Verificar se, utilizando um colchão desse tamanho, você terá espaço para se movimentar e guardar seus equipamentos. Ele também perde ar e você se sente dormindo em uma cama d’água. Um trambolho que está para sempre banido das minhas provas.

Kit organizador de malas

Resolvi dividir todas as minhas coisas em coloridos kits organizadores. Se a minha barraca tivesse espaço, teria sido o máximo.

Aprendizado 

Os kits organizadores são válidos e tiveram o seu valor. Mas, como a minha barraca virou um casulo claustrofóbico, para achar qualquer coisa tive que apelar para São Longuinho. Se houvesse mais espaço essa organização teria funcionado melhor.

Mala minimalista

Embora tenha passado três semanas organizando a minha mala, ela passou longe, mas muito longe da perfeição. Leia-se: levei coisas demais, tanto que paguei excesso de bagagem já na ida.

Aprendizado

Menos realmente é mais. Para acampar com conforto é preciso saber se desapegar e entender exatamente o que é necessário e o que “você acha que é necessário”.

Bom, agora com esse “Doutorado” só me resta testar esse aprendizado todo na prática na próxima.

 

 

Leia mais

Dicas para acampar em uma corrida de montanha

Bastões de corrida: saiba como tirar proveito deles

Pratique o desapego na hora de arrumar a sua mochila de prova

Os textos, informações e opiniões publicados nesse espaço são de total responsabilidade do autor. Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Ativo.com

Sobre o autor

Karen Kornilovicz

Bacharel em Jornalismo, é blogueira e trail runner. Após mais de uma década correndo no asfalto, em 2011 trocou a rua pela montanha. Há um ano, descobriu também a mountain bike e a corr... VEJA MAIS

Compartilhe por email!