Receba nossa newsletter e fique por dentro do mundo do esporte!

PUBLICIDADE

Calor ou gelo? Oh! dúvida cruel

Calor ou gelo? Oh! dúvida cruel

A informação prévia é importante para que no momento agudo da lesão você não tenha nenhuma dúvida e tome a atitude correta (calor ou gelo), melhorando assim a sintomatologia e evitando o agravamento do problema. Quando me refiro à lesão aguda, falo sobre a lesão que acaba de acontecer. Independentemente do local e da estrutura lesionada, a indicação é a aplicação da crioterapia, a terapia com gelo.

A função da aplicação local de gelo é, primeiramente, analgésica. Pela crioterapia, conseguimos um ótimo efeito analgésico, além de evitar a ocorrência de uma lesão secundária na periferia da lesão. O gelo tem efeito vasoconstritor (diminuição do diâmetro de artérias e veias), o que faz com que o aporte sanguíneo no local seja diminuído, assim como a liberação de substâncias que causam inflamação e dor.

Outro fator importante no momento da aplicação do gelo é o posicionamento do membro lesionado – deve ficar elevado, evitando assim o aumento do fluxo sanguíneo na região lesada. A compressão da região com a bolsa de gelo também evita o maior extravasamento de sangue, fator que dificultaria o início da fase de reabilitação.

Neste momento, seria um erro gravíssimo aplicar qualquer fonte de calor, de forma seca ou úmida. O calor gera vasodilatação (aumento do calibre dos vasos e artérias), o que aumentaria o sangramento local e, consequentemente, o edema ou hematoma. Isso elevaria o processo álgico, dificultando o processo inicial de reabilitação. Quanto maior for a área do hematoma ou edema mais estruturas serão lesadas, devido à compressão que o sangue extravasado causa na região. Isso dificulta a chegada de substratos necessários para a recuperação.

Portanto, se você estiver em alguma competição onde não tenha equipe médica e sofrer alguma lesão, NÃO TENHA DÚVIDA, aplique gelo no local por pelo menos 20 minutos e no máximo 30 minutos, repetindo as aplicações a cada duas horas.

Após este primeiro autotratamento procure um médico para o diagnóstico da lesão e o tratamento fisioterápico, visando ao seu pronto retorno para as atividades esportivas.

 

Os textos, informações e opiniões publicados nesse espaço são de total responsabilidade do autor. Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Ativo.com

Sobre o autor

Rodrigo Iglesias

Fisioterapeuta da seleção brasileira de atletismo, pai, maratonista por hobby, palestrante e um aprendiz em tempo integral. Rodrigo vive o esporte olímpico há mais de 15 anos e acompanho... VEJA MAIS

Compartilhe por email!