Receba nossa newsletter e fique por dentro do mundo do esporte!

Cansaço físico: respeite os sinais do corpo

Cansaço físico: respeite os sinais do corpo

A maioria dos atletas tem dificuldade de identificar as diferenças entre quadros de lesão e o simples cansaço físico, gerado pela rotina e sobrecarga de subsequentes sessões de treinamento. A falta de atenção aos efeitos da sobrecarga pode levar um quadro de cansaço físico a uma lesão.

Todo treino realizado gera um estresse tanto fisiológico quanto neuromuscular e estrutural, atingindo áreas como tendões, ligamentos e músculos. Após cada treino, há um quadro inflamatório que explica o cansaço e a fadiga muscular. Isso se dá por conta da destruição de fibras, que varia de acordo com a intensidade do esforço.

É prestando atenção às reações de nosso corpo que desenvolvemos um “feeling” relativo aos níveis de cansaço e percepção de esforço na corrida, assim como quanto ao tempo de recuperação entre treinos e o limite das lesões.

A fase final de preparação para uma prova é o momento mais limítrofe entre o ápice da performance e a possibilidade de lesão, já que o atleta está trabalhando no seu potencial máximo. A motivação de fazer os treinos com a melhor qualidade pode levar a musculatura, tendões e ligamentos – assim como nossas funções fisiológicas e neuromotoras – aos seus limites. E uma sessão de treinamento passando dos limites pode ser “o fio da navalha” para a desestabilização de toda a estrutura orgânico-fisiológica.

 

Leia mais

Caindo na terra: experimentando uma nova forma de correr

Sub-2h: a busca por uma maratona perfeita

Querer não é poder, respeite seu limite genético

 

Todo atleta experiente tem um mecanismo de freio para não extrapolar limites que lhe sejam prejudiciais. Um atleta só deve chegar próximo ao seu limite em situações muito específicas, como em competições. Alguns corredores amadores se machucam treinando, pois, algumas vezes, trazem a competição para seu dia a dia – e isso é um perigo!

Todo esportista deve estar focado em observar e sentir quais são as suas reações aos estímulos que acontecem durante a realização do treinamento, prevenindo-se, assim, de possíveis lesões. O preparo muscular por meio da musculação e/ou alongamentos, a alimentação correta e equilibrada em nutrientes e o controle sobre os níveis de estresse físico do corpo são muito importantes para o atleta desenvolver essa sensibilidade.

É um processo longo, às vezes de anos, que está diretamente ligado à experiência do corredor. Portanto, se você deseja ser um atleta com longevidade em sua vida esportiva, não se esqueça: ouvir os sinais de seu organismo é, sim, parte importante da sua rotina de treinamento. Se você sente que ainda não a tem, procure fazer um exercício de auto-observação e, assim, desenvolver seu instinto de autoproteção durante a prática. Isso o ajudará a atingir objetivos cada vez maiores!

Os textos, informações e opiniões publicados nesse espaço são de total responsabilidade do autor. Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Ativo.com

Sobre o autor

Marcello Butenas

Marcello Butenas é treinador de triathlon e de corrida desde 1990 e é diretor técnico da Butenas Assessoria Esportiva. Como atleta foi vice-campeão brasileiro de triathlon em 1991, tetra... VEJA MAIS

Compartilhe por email!