Receba nossa newsletter e fique por dentro do mundo do esporte!

PUBLICIDADE

Frio ou calor, eis a questão

Frio ou calor, eis a questão

Outra discussão presente entre corredores é sobre correr no frio ou no calor. Somos guerreiros ao treinarmos no calor e termos que, por vezes, correr no outono/inverno no hemisfério norte ou em países mais austrais com tempeturas baixas. Pois digo que a corrida não vem com um manual pronto, preto no branco. O tênis que é ótimo para mim pode ser horrível para você e vice-versa. Assim como correr no calor ou frio depende de como o corredor se sente melhor.

Porém, estudos e práticas comprovadas nos mostram que correr no frio se rende mais do que no calor. Mas como eu disse aí em cima, isso pode não valer para todo mundo. Embora eu tenha uma maratona em 2h59 com 30ºC, pois na época estava treinado e tinha condições físicas para suportar o calor, hoje percebo que ao passar dos 23ºC meu desempenho já cai e muito.

O calor obviamente desgasta mais; no frio, há um segredinho: todos podem correr bem com baixas temperaturas, desde que dominem suas variáveis e não deixem chegar ao estágio de hipotermia. Para isso é necessário investir em luvas, legging, manguito e toucas que cubram inclusive a orelha. Aqui me refiro ao frio “extremo”, aquele abaixo de 10ºC.

Já sob o frio mais ameno (até uns 15ºC) a peça coringa é o manguito. Se esquentar é só baixá-lo que o problema se resolve. Luva também é um item que não descarto nesse “tipo de frio”. Além de proteger as mãos, ela pode aquecer braços e nunca com a fricção das mãos.

 

Leia mais

Análise metabólica, um atalho para atingir objetivos na balança e na corrida

Como treinar os braços para correr e por que isso é importante

Treino de mobilidade para corredores com cinco exercícios

 

No calor, o menos é mais. Quanto menos parte do corpo estiver coberta, melhor. Regatas, calção e proteção na cabeça como boné e viseira são essenciais. Molhar totalmente o boné dá um refresco extra. Em competições e treinos feitos sob o sol, o importante é se hidratar bastante e aproveitar aquele resto de água e jogar na cabeça ou colocar nas mãos e espalhar pelos braços e nuca.

Como se vê, a corrida não é uma ciência exata, e cada pessoa responde de forma distinta fisiologicamente. Mas sempre devemos atentar e buscar estudar a melhor forma de coibir as variáveis climáticas, seja o frio ou calor. Claro que, para isso, não devemos fugir de treinos em condições adversas

Os textos, informações e opiniões publicados nesse espaço são de total responsabilidade do autor. Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Ativo.com

Sobre o autor

Harry Thomas Jr

Jornalista especializado em corridas de rua desde 1999, Harry competiu pela primeira vez em 1994 e desde então já completou 28 maratonas – sendo três sub 3 horas: São Paulo (2h59min30)... VEJA MAIS

Compartilhe por email!