Receba nossa newsletter e fique por dentro do mundo do esporte!

PUBLICIDADE

Doping em família

Doping em família

Classificada para disputar a maratona dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, a atleta Sueli Pereira Silva foi suspensa pela Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) quando foi flagrada por uso da substância dopante EPO na disputa da Corrida Internacional de São Silvestre, prova em que conquistou a quarta colocação e foi a melhor brasileira.

Uma semana depois, na Corrida dos Reis, em Cuiabá, foi a vez de o atleta Ronald Quirino ser pego no exame antidoping utilizando a mesma substância dopante. Sueli voltou a ser flagrada nessa prova.

Seriam mais dois casos “isolados” se Ronald não fosse filho de Sueli. Ambos foram suspensos por quatro anos.

O ciclo do escândalo do doping familiar ganhou mais um capítulo nesta quarta-feira, 23, quando a CBAt baniu de forma vitalícia o técnico de atletismo Ronaldo Quirino de Moares, que orientava ambos os atletas.

 

Leia mais

A corrida mais difícil do mundo

A tartaruga e o coelho: não pule etapas na corrida

As arapucas das calçadas

 

O bizarro nesta triste história é que o hoje ex-treinador Quirino de Moares é marido de Sueli e pai de Ronald.

O episódio com certeza desponta como o segundo mais rumoroso escândalo de doping do atletismo brasileiro, sendo superado somente pelo vergonhoso caso do Grupo Rede na primeira década deste milênio.

A CBAt agiu com a energia que a comunidade atlética brasileira anseia.

Os textos, informações e opiniões publicados nesse espaço são de total responsabilidade do autor. Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Ativo.com

Sobre o autor

Harry Thomas Jr

Jornalista especializado em corridas de rua desde 1999, Harry competiu pela primeira vez em 1994 e desde então já completou 31 maratonas – sendo três sub 3 horas: São Paulo (2h59min30)... VEJA MAIS

Compartilhe por email!