Receba nossa newsletter e fique por dentro do mundo do esporte!

PUBLICIDADE

Dor “boa” ou “ruim”? Como diferenciar o desconforto pós-treino

Dor “boa” ou “ruim”? Como diferenciar o desconforto pós-treino

Você deu o seu melhor naquele treino de velocidade ou pegou pesado na musculação e ficou bem feliz com o desempenho. Aí vem aquela dor depois do treino, sintoma que muitos interpretam como a certeza de uma sessão de treinamento bem-feita. O problema está na forma como a dor depois do treino se apresenta, o que pode confundir o atleta no discernimento de “dor boa” da “dor ruim”. Para que ocorra evolução no esporte, é normal que as fibras musculares sofram lesões durante os treinos.

Se a intensidade não for muito excessiva e se houver tempo de descanso associado a uma alimentação adequada, haverá uma supercompensação. Essa supercompensação é uma adaptação ao estímulo recebido, que torna a musculatura e os ligamentos mais preparados para novos estímulos.

Também deve se levar em conta as características pessoais: existem pessoas com um limiar de dor muito baixo, prejudicando a evolução dentro do esporte por sentir muita dor depois do treino. Por sua vez, há indivíduos com limiares altos, que continuam realizando as atividades esportivas mesmo com sérias lesões articulares. Porém, mais importante do que a sensibilidade individual é o seu nível de condicionamento físico. Mesmo que você já tenha corrido algumas maratonas ou outras distâncias longas, caso fique parado um tempo depois, precisará retomar suas atividades de forma leve e progressiva.

Leia mais

“Pace”, “coelho” e “fartlek”: o dicionário do corredor

Análise metabólica, um atalho para atingir objetivos na balança e na corrida

Qual a melhor maneira de fortalecer o core para correr?

 

A chamada “dor boa” dura até 48 h após o exercício, afeta os membros superiores e/ou inferiores de forma parecida, normalmente em localização muscular (não nas articulações) e o ponto da dor deve estar relacionado ao tipo de atividade realizada (por exemplo, dor no quadríceps após fazer movimentos na cadeira extensora). Já a dor ruim é uma lesão articular que comprometerá o seu desempenho. Se continuar treinando, essa lesão poderá progredir para uma nível mais sério, necessitando de afastamento das atividades, tratamento médico e/ou fisioterápico, e algumas vezes até procedimentos cirúrgicos.

Na dúvida da origem de sua dor depois do treino, recorra a um médico para investigar a causa do desconforto. E sempre siga as orientações profissionais à risca para voltar às pistas em breve.

Os textos, informações e opiniões publicados nesse espaço são de total responsabilidade do autor. Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Ativo.com

Sobre o autor

Fellipe Savioli

Triatleta amador, Fellipe Savioli é médico pós-graduado em medicina esportiva pela UNIFESP – Universidade Federal de São Paulo (SP), pós-graduado em nutrologia pela ABRA – Associaç... VEJA MAIS

Compartilhe por email!