Receba nossa newsletter e fique por dentro do mundo do esporte!

Dúvidas na prática do triathlon?

Dúvidas na prática do triathlon?

No último final de semana participei do primeiro Run Talk da Mizuno, um evento que tem como proposta difundir o mercado de triathlon e Ironman no Brasil. Houve uma mesa redonda com bate-papo entre profissionais renomados da área de educação física e atletas, durante o qual observei que muitos dos presentes compartilhavam das mesmas dúvidas na prática do triathlon em relação a treinamento, equipamento e provas. Assim, resolvi escrever sobre elas:

Como e com quem treinar?

Bom, sozinho é que não – se você não for da área. Percebam o seguinte: o triathlon deve ser encarado como uma modalidade e não três. Você precisa fazer treinos que podem ser divididos em natação, ciclismo e corrida. Mas não podemos esquecer a necessidade de fazer fortalecimento muscular e cuidar do sono. Devemos confiar no treinador e interagir com ele. Dá trabalho pensar na distribuição de cargas, ajustes de planilha, divisão e distribuição dos treinos ao longo do ano, dos meses e da semana. E muitos, por não respeitarem isso, acabam se prejudicando. Treinar a mais, muitas vezes não significa melhorar. Mesmo porque cada técnico tem uma estratégia, tem uma bagagem de estudo e experiência. Confie e não compare o seu treino com o do seu colega. Não tente competir com seu amigo no treino. Ele tem uma individualidade fisiológica diferente da sua. E muito provavelmente vocês precisem de tempos e intensidades diferente.

 – Posso começar pelo Ironman?

Nunca! O organismo demora tempo para se adaptar de verdade. É importante passar por provas mais curtas, adquirir experiência, dar feedback ao treinador, entender como funciona seu corpo. Se aprende muito com provas mais curtas. E tudo é triathlon, do short ao Ironman. Para fazer uma prova destas, requer tempo de treino e custo. Devemos fazer o planejamento incluindo outras provas, então ponha isso no seu budget.

– Qual a importância do sono para o atleta?

É o mais importante! O dia só tem 24 horas, e você precisa de 8h de sono, 8h de trabalho e 4h de treino. Sobram 4h para família, refeições, deslocamento, higiene pessoal… Não tem milagre. Faça a conta e veja o que cabe na sua vida.

– Qual a importância dos testes de limiar?

Na mesa redonda, a dra. Ana Rennó falou de testes cardiopulmonares. Isso é importante para o cálculo dos limiares. Ou seja, saber quando o seu organismo usa mais ou menos oxigênio e como o aproveita para a produção de energia. Ainda serve para saber o nível de esforço da célula no qual o uso das reservas intracelulares de glicogênio está produzindo lactato. Isto é particularmente importante, uma vez que o acúmulo do lactato pode gerar fadiga. Em resumo, saber a frequência cardíaca e suas condições fisiológicas nos limiares permite identificar qual a frequência de treino que você deve fazer para ter o objetivo esperado.

– Qual a importância de ter uma bike leve?

Outro assunto levantado foi o custo das bikes e todos foram unânimes em dizer que não adianta ter um modelo ultra mega leve e estar 6 kg acima do peso. Aí entramos na minha área de trabalho, e digo que isso é verdade. Carregar muito peso também não é inteligente. Numa prova de 1h, como um short, uma garrafa de isotônico e um gel são suficientes. Numa prova como um Ironman, no outro extremo, com até 13 horas de duração, temos que aproveitar a estrutura do evento. Trabalhar as metas, o controle de peso, a nutrição celular, o desempenho, fazer a reposição adequada de minerais e vitaminas, trabalhar a nutrição para a síntese correta de hormônios é fundamental! E isso não tem segredo. Basicamente dedicação, evitar açúcar e álcool. As demais recomendações ficam a cargo da individualidade e genética de cada organismo.

Para quem vai fazer o Ironman Brasil 2017 em Floripa, os treinos já começam a aumentar. Não deixe para depois seu planejamento nutricional. Numa prova, não devemos fazer nada novo. É preciso nutrir-se bem no dia-a-dia para treinar bem e fazer uma boa prova.

Bons treinos!

Os textos, informações e opiniões publicados nesse espaço são de total responsabilidade do autor. Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Ativo.com

Sobre o autor

Priscila Machado

Nutricionista da Confederação Brasileira de Triathlon, é especialista em nutrição e esporte pela Associação Brasileira de Nutrição e mestre em bioquímica nutricional pela UFRJ, al... VEJA MAIS

Compartilhe por email!
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]