Receba nossa newsletter e fique por dentro do mundo do esporte!

PUBLICIDADE

Fausto, o grego brasileiro

Fausto, o grego brasileiro

Assim como Fidípides, Fausto, que aos 80 anos de idade nos deixou neste último Natal, tinha nome de grego e era corredor. E teve importância enorme na formação deste corredor que vos escreve, já que foi o primeiro atleta praticante de corridas que conheci em minha vida.

Morávamos no mesmo prédio no centro de São Paulo. Lembro na minha infância de vê-lo chegar à nossa rua de regata e calção das três listas suados.

Já na adolescência, quando chegava dos treinos, invariavelmente nos contava seus feitos. Nós, na fase bobinha da vida, colocamos à prova suas palavras naqueles finais dos anos 70: “Saí de manhã e fui até o Pico do Jaraguá. Subi, desci e voltei correndo”.

Quando ele dava as costas, ríamos como quem dizia: “Vai contar lorota em outro lugar. Como assim correr 30km, 40km a pé?”, questionávamos.

E por anos e anos, na verdade até este ano, o via chegar trajando roupa de corredor.

 

Leia mais

Mizuno Uphill: o case de marketing do running brasileiro

A corrida mais difícil do mundo

Clima indomável na ultra em Bombinhas

 

Atualmente, nossa conversa era outra. Era eu quem lhe falava que havia corrido quilômetros a fio e ele em sua simpatia sorria e me abraçava.

Tive a felicidade de lhe contar que ele foi meu primeiro incentivador e que a ele devia o status de ser um corredor.

Hoje, já com saudades, só tenho a agradecer: obrigado, Fausto, o grego brasileiro, aquele a quem devo ser corredor.

Os textos, informações e opiniões publicados nesse espaço são de total responsabilidade do autor. Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Ativo.com

Sobre o autor

Harry Thomas Jr

Jornalista especializado em corridas de rua desde 1999, Harry competiu pela primeira vez em 1994 e desde então já completou 31 maratonas – sendo três sub 3 horas: São Paulo (2h59min30)... VEJA MAIS

Compartilhe por email!