Receba nossa newsletter e fique por dentro do mundo do esporte!

PUBLICIDADE

Me lesionei. E agora?

Me lesionei. E agora?

Pode ser a mais comum de todas as lesões: a torção de tornozelo. Pode ser aquela dor da fascite plantar. Pode ser aquela dor e queimação no osso de uma fratura por stress. Não importa o diagnóstico, embora não sendo regra, a lesão um dia aparece na vida do corredor que leva o esporte como estilo de vida. Afinal, são milhares de quilômetros percorridos e a corrida é um esporte que vai desgastando as articulações com o passar dos anos.

Enfim ela chega. A minha primeira lesão chegou depois de 15 anos de corrida contínua. Foi uma fratura por stress no metatarso do pé esquerdo. Ela me levou a ficar de molho por exatos seis meses, sem correr um mísero quilometro. Para quem tem a corrida aliada do seu dia-a-dia, é um baque forte.

A primeira coisa que devemos fazer é parar imediatamente de correr. Procurar um profissional médico competente, em sua maioria um ortopedista, se possível com especialização em medicina esportiva. Seguir o tratamento, e depois caso seja o recomendado, fazer as seções de fisioterapia solicitadas.

Mas para muitos isso torna-se um verdadeiro martírio. Ver os amigos treinando, postando suas medalhas nas Redes Sociais, e em muitos casos cometem um erro primário. Voltam a correr sem a alta médica e como consequência agravando ainda mais a lesão que pode virar uma lesão crônica.

Desenvolvi um ‘enganador de lesão’ nesses seis meses que fiquei parado. Cansado de não fazer nada e ver todos correndo, eu ia ao parque vestido de corredor e todo paramentado. Lá procurava meus amigos de equipe e com eles ficava. Também andava (pois isso era permitido) e fazia meu treino andando, um trekking vigoroso. Ou seja, fazia tudo normalmente, só não praticava a corrida em si.

Nos domingos ia nas provas – igualmente paramentado – só que ao invés de correr, ia incentivar meus amigos no quilômetro final. Dar aquele grito “Vamos lá!”, “Falta pouco!”…

Era minha corrida sem correr. E lhe garanto, caro leitor, faz um bem danado para quem não pode correr por estar lesionado.

Os textos, informações e opiniões publicados nesse espaço são de total responsabilidade do autor. Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Ativo.com

Sobre o autor

Harry Thomas Jr

Jornalista especializado em corridas de rua desde 1999, Harry competiu pela primeira vez em 1994 e desde então já completou 31 maratonas – sendo três sub 3 horas: São Paulo (2h59min30)... VEJA MAIS

Compartilhe por email!