Receba nossa newsletter e fique por dentro do mundo do esporte!

PUBLICIDADE

O Santo Graal da corrida

O Santo Graal da corrida

Segundo lendas medievais bretãs, o Santo Graal seria o cálice de que Jesus Cristo se teria servido na última ceia com os discípulos e no qual José de Arimateia teria recolhido o sangue e a água dimanados das chagas do Salvador da cruz, que teria sido levado para a Bretanha no ano 64 D.C. e depositado numa capela dentro de um bosque. Por metáfora, Santo Graal significa ideal, sonho.

Dale Matson conta, em seu livro Finishing the Western States 100 Mile Endurance Run, que Greg Soderlund, diretor da ultramaratona Western States 100, disse, certa vez, que a prova por ele dirigida é o Santo Graal dos ultramaratonistas. A meta a que um ultramaratonista aspira e que busca seria participar da Western States 100.

O seguinte relato de Dale Matson a demonstrar que talvez Greg não tenha exagerado. Dale conta que se lembra perfeitamente de ter perguntado a um amigo, de nome Joe Schlereth, como ele tinha se saído na Angeles Crest 100 (ultramaratona de 160 quilômetros que Joe havia completado), e de que Joe respondeu-lhe, simplesmente, que: Há a Western States 100 e todo o resto não passa de treinamento para a Western States 100. (“There is the Western States 100 and everything else is a training run for Western States 100”).

 

Leia mais

Só os patetas correm bem na Disney

11 livros que todo corredor deveria ler

A corrida feliz

 

Em 2001, Dale Matson partiu em busca do Cálice Sagrado e completou a Western States 100. Seu livro, editado em 2011, relata tal experiência. Dale conclui que, se é verdade que uma maratona confere o bacharelado em corrida; e se correr a Maratona de Boston garante o grau de Mestre; somente a Western States 100 outorga o título de Ph.D.

A Western States 100, criada em 1955, é a mais antiga ultramaratona de 100 milhas (160 km) em trilhas dos EUA. A prova, originariamente chamada Western States Trail Ride, era feita a cavalo. Até que, em 1974, um jovem cavaleiro, chamado Gordon Ainsleigh, percebendo que seu cavalo não estava saudável o suficiente para largar, resolveu correr a prova, completando-a em menos de 24 hs.

Dean Karnazes dedicou três capítulos de seu livro O Ultramaratonista à Western States 100. O famoso conselho que o pai de Karnazes lhe dá – “Se não pode correr, então ande. E se não puder andar, então engatinhe. Faça o que for preciso. Apenas siga em frente e jamais desista” – , tornado leitmotiv, ele o recebeu no último posto de apoio da Western States 100, chamado Robie Point, depois de 152 quilômetros corridos, onde chegou com lágrimas nos olhos e “mal conseguindo se mexer”, certo de que não lhe restaria outra alternativa a não ser abandonar a prova.

Dean Karnazes concluiu a prova e, dizem, tornou-se imortal.

O fabuloso conto O Tesouro, de Eça de Queiroz, termina com a seguinte afirmativa: “O tesouro ainda está lá, na mata de Roquelanes”.

Termino eu aqui assim: O Santo Graal está lá, nas montanhas de Auburn.

Os textos, informações e opiniões publicados nesse espaço são de total responsabilidade do autor. Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Ativo.com

Sobre o autor

Maurício Lopes

Mauricio Lopes é advogado, editor (fundador da Editora Leblon, que publicou, no Brasil, a obra 50 Maratonas em 50 Dias, de Dean Karnazes), leitor e colecionador de livros sobre maratonas. ... VEJA MAIS

Compartilhe por email!