Receba nossa newsletter e fique por dentro do mundo do esporte!

PUBLICIDADE

Olympikus Pride 2: custo-benefício que vale o investimento

Olympikus Pride 2: custo-benefício que vale o investimento

Como já escrevi em outros artigos, assim como falo em palestras e bate-papos sobre tênis de corrida, eu tive o privilégio de usar alguns modelos da Olympikus produzidos entre 1999 e 2003.

Os tênis não tinham super tecnologias, eram muito leves e atendiam muito bem em treinos e competições. Naquela época, a Olympikus tinha verdadeiros modelos de competição, alguns que pesavam em torno de 160 gramas, e não deixavam nada a desejar comparando com alguns modelos importados da atualidade.

Tive a primeira edição do Olympikus Rio, que achei um modelo que poderia passar por evoluções nas edições seguintes e se tornar um modelo de competição à altura de modelos importados, o que não aconteceu.

Acredito que não era de interesse da marca ter um “puro-sangue” de competição como em anos anteriores, já que modelos desta categoria tem pouca demanda no Brasil, independentemente da marca.

Considerando modelos para treinos diários, tive o Pride 1, que mostrou ter um bom acabamento, mas ser um tênis firme de batida e pouco flexível. A batida seca é em decorrência da densidade da espuma em EVA não ter tanta resposta, agregada ao solado com uma borracha rígida, limitando desta forma o trabalho de amortecimento da entressola.

O Pride 2, lançado recentemente, é completamente diferente. A começar pelo peso, 25 gramas menor. É bem perceptível que está mais confortável com relação ao amortecimento.

Certamente a densidade do EVA foi melhorada, assim como a composição da borracha do solado, com menos material, deixando também o tênis mais flexível. No Pride 1 o drop era de 12mm. No 2, é de 10mm.

Leia mais

Olympikus Pride: bom custo-benefício para iniciantes

Tênis de corrida: panorama das marcas no Brasil de A a Z

Vulcabras Azaleia irá comandar a gestão da Under Armour Brasil

Outro detalhe que mudou bastante foi o acabamento da malha de cabedal. Veste muito melhor do que o antecessor e tem menos pontos de costura porque as sobreposições são soldadas diretamente à malha, como a biqueira.

O colar de calce também apresenta menos enchimento de espuma o que eu prefiro. O pouco que corri com o Pride 2 (a edição da Maratona do Rio de Janeiro é o 2), é perceptível o maior conforto do que com o anterior.

O que eu mudei foi o cadarço, pois o que vem no tênis tem espessura mais grossa e dificulta o ajuste. Coloquei um cadarço com espessura mais fina e o problema foi resolvido.

Quem estiver com o orçamento apertado, está priorizando um bom custo-benefício e não tiver preconceito com a marca por ser um produto nacional, vale ao menos experimentar.

Eu coloco o Olympikus Pride 2 como principal concorrente dos modelos Asics Patriot 10, Fila Fr 97, Mizuno Wave Mirai e Nike Winflo 6.

Olympikus Pride 2

Categoria: Amortecimento
Pisada: Neutra
Drop: 10mm
Peso: 301gr (Tamanho 42 – Foto)
Finalidade: Treinos diários e corridas de curtas e longas distâncias

Os textos, informações e opiniões publicados nesse espaço são de total responsabilidade do autor. Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Ativo.com

Sobre o autor

Rodrigo Roehniss

Graduado em Administração de Empresas com MBA em Gestão em Marketing Esportivo, Rodrigo Roehniss é especialista em tênis de corrida, além de prestar consultoria sobre o universo de pro... VEJA MAIS

Compartilhe por email!