Receba nossa newsletter e fique por dentro do mundo do esporte!

PUBLICIDADE

Pioneiras de fé e coragem nas Olimpíadas

Pioneiras de fé e coragem nas Olimpíadas

A presença feminina nos Jogos do Rio-2016 é marcante, gloriosa, especialmente para o Brasil, que teve com a ex-favelada Rafaela Silva o primeiro ouro nesta Olimpíada.

Nem sempre foi assim.

Como na vida, as mulheres sofreram –e, em muitos casos, ainda sofrem— forte discriminação no esporte. É uma das demonstrações de que o espírito olímpico não é exatamente a coisa mais bacana do mundo.

Na maratona olímpica, por exemplo, a presença da mulher só foi permitida nos Jogos de Los Angeles em 1984, quase cem anos depois da primeira edição dos Jogos da Era Moderna.

Até então, a cartolagem planetária inventava mil desculpas para impedir a participação feminina.

“Sexo frágil”, diziam os burocratas de plantão, argumentando que as mulheres não tinham condições de correr quarenta e dois quilômetros. Se corressem, perderiam não só a feminilidade como poderiam morrer; se não morressem, certamente jamais poderiam gerar filhos…

Esse tipo de bobagem era repetido a décadas, desde os tempos da primeira maratona olímpica, em 1896.

E, desde aquela época, as mulheres tratavam de mostrar que era pura lorota.
Proibida de correr a primeira maratona olímpica, uma moça de nome Melpomene –homenagem à musa da tragédia—não aceitou a restrição grotesca.

Mesmo sem inscrição oficial, participou da corrida olímpica, largando um pouco depois dos 17 participantes da maratona.

Completou a prova em quatro horas e meia, cerca de uma hora e meia a mais do que o vencedor, Spiridon Louis. Os guardinhas da época, encarregados de fazer valer a voz da cartolagem, impediram a moça de entrar no estádio Panathinaikos, onde era a chegada da maratona.

Indiferente à adversidade, Melpomene deu a volta olímpica pelo lado de fora do estádio, tornando-se a primeira maratonista da história.

No dia seguinte, outra brava guerreira, uma loira de 30 anos, mãe de dois filhos, repetiu a dose.

Como não tinham permitido que ela corresse a maratona olímpica, Stamata Revithi tratou de fazer sua própria corrida. Buscou assinaturas de testemunhas que confirmaram sua largada e chegada, deixando documentada sua epopeia de cinco horas e meia.

Nos anos 1960, a mulherada voltou à carga em defesa de seus direitos, reivindicando participação nas corridas de longa distância. Tiveram conquistas diversas, mas o Comitê Olímpico Interncaional continuava insensível.

A hora de verdade chegou no final dos anos 1970, quando as reivindicações femininas ganharam organicidade em um Comitê Pró-Maratona Olímpica Feminina, que chegou a ser presidido por uma brasileira, a grande Eleonora Mendonça.

Lutando nos gabinetes e fazendo campanhas abertas, finalmente conquistaram o que era seu por direito. E a primeira maratona olímpica feminina foi realizada no calorão californiano, o que propiciou a dramática cena da chegada da suíça Gabrielle Andersen.

É graças à luta de todas essas guerreiras, pioneiras de fé e coragem, de Melpomene a Eleonora, que o mundo pode ter hoje o grande espetáculo que vemos em cada edição dos Jogos Olímpicos.

Os textos, informações e opiniões publicados nesse espaço são de total responsabilidade do autor. Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Ativo.com

Sobre o autor

Rodolfo Lucena

59, é jornalista, gaúcho, gremista, cachorreiro, escritor e ultramaratonista – já fez mais de 30 provas longas em cinco continentes. Autor de “Maratonando” e de “+Corrida”, atuo... VEJA MAIS

Compartilhe por email!