Receba nossa newsletter e fique por dentro do mundo do esporte!

PUBLICIDADE

Por que a fisioterapia não dá resultado?

Por que a fisioterapia não dá resultado?

É claro que este título é uma provocação. No entanto, ainda existe preconceito com relação à fisioterapia.

Muitos pensam e se perguntam como que ainda há uma terapia que prioriza o uso de aparelhos, como ultrassom, “choquinho” e ondas curtas e exercícios de fortalecimento (cujo objetivo é puramente fortalecer e alongar), além do esquema de fazer 10 sessões a partir de um pedido médico e depois retornar para ver se o médico avalia a necessidade de mais 10 sessões.

Esse tipo de fisioterapia ultrapassada acabou criando dois grupos: o de pessoas que preferem fazer infiltrações e tomarem analgésicos e anti-inflamatórios para mascarar os sintomas; e outras que tentam resultado na quiropraxia, massagem, acupuntura e outros tipos de procedimentos, mais invasivos, indicados por ortopedistas e fisiatras.

Leia mais

Correr deixa as pessoas mais felizes, diz pesquisa da USP

Rio S-21K: turismo em um dos percursos mais belos do Brasil

Fisioterapia e força da equipe multidisciplinar

A verdade é que não existe apenas um profissional que tenha a resposta em 100% dos casos com todos os pacientes, como dores e patologias.

Mesmo lesões musculares podem ter causas multifatoriais. Portanto, na maior parte dos casos, o trabalho em equipe multidisciplinar é muito bem-vindo, traz resultados mais rápidos e com maior qualidade.

Técnicas paliativas que agem sobre os sintomas (consequência), como as infiltrações e medicamentos analgésicos, também podem ser eficientes em casos que o paciente não é capaz de fazer as atividades do dia a dia com o mínimo de qualidade.

Caso contrário, terapias analgésicas que não tenham foco em atuar sobre a causa raiz do problema podem atrapalhar.

A razão é que sabemos que pacientes sem dor tendem a abusar dos esportes e atividades físicas — mesmo sabendo que estão com uma lesão.

A fisioterapia não é substituível por outras técnicas, pois o fisioterapeuta é o profissional mais preparado para avaliar vários aspectos importantes.

São elas as funções motora e biomecânica, sejam do atleta ou de uma atividade de vida que esteja levando a um processo doloroso ou lesão.

O tratamento fisioterapêutico hoje está focado em corrigir erros na função biomecânica e assim, na maior parte do tempo, por exercícios que visam ao ganho de mobilidade, estabilização e aprendizagem motora (e que tem a força e potência naturalmente como resultado final).

É importante quebrarmos crenças antigas e ultrapassadas e entendermos que a fisioterapia evoluiu.

O fisioterapeuta é um profissional autônomo, que avalia a função e trata, tendo a capacidade de perceber durante a avaliação se existe a necessidade de avaliações de outros profissionais dentro de uma abordagem multidisciplinar ou integrativa.

A boa notícia é que muitos pacientes já têm esta percepção e nos procuram para consultas para questões funcionais, que muitas vezes ainda não evoluíram para lesão e temos tempo de corrigir a função e atuar de forma preventiva. Esta, sim é a fisioterapia atual e que evolui a cada dia.

Os textos, informações e opiniões publicados nesse espaço são de total responsabilidade do autor. Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Ativo.com

Sobre o autor

Claudio Cotter

Fisioterapeuta esportivo e gestor da CM2 Clínica Multidisciplinar em São Paulo. Pós-graduado em Medicina Psicossomática, especialista em RPG, Método Busquet e Força Dinâmica. Palestra... VEJA MAIS

Compartilhe por email!