Receba nossa newsletter e fique por dentro do mundo do esporte!

PUBLICIDADE

Pós-prova é tão importante quanto a preparação

Pós-prova é tão importante quanto a preparação

Na época das maratonas mais cobiçadas, o planejamento e o treinamento fazem toda a diferença. Até o momento da prova, a adrenalina toma conta da situação e garante o foco dos corredores, mas depois da linha de chegada existe uma situação crucial para uma recuperação eficiente do corpo: o pós-prova.

Na maioria das vezes, os corredores se limitam a pensar no que está doendo, como músculos e tendões, mas não levam em conta que todo organismo precisa ser cuidado para que a recuperação aconteça de forma plena, independentemente de sentir dor ou não.

Existe um órgão muito importante para o desempenho e que muitos nem sabem onde fica: o fígado. O bom estado de saúde dele reflete diretamente no desempenho esportivo e no dia a dia, então devemos nos preocupar. Ele não dói, mas emite alguns sinais, como fadiga, dor de cabeça, náusea, falta de ânimo, febre, queda de rendimento, falta de apetite etc.

 

Leia mais

Campeã em NY, Shalane Flanagan tem dieta simples e com folgas

Coma! Mesmo sem fome

Vitamina D: parceira do seu desempenho

 

O fígado funciona como um elo entre diferentes órgãos do nosso corpo, trabalhando como um grande laboratório de bioquímica. Após a prova ele precisa de cuidados para que tudo corra bem.

Muitas pessoas, ao terminar a prova, se liberam para beber e comer em excesso e não imaginam quanto o fígado vai ter que trabalhar, depois de correr 42,195 km, para processar o álcool, a gordura etc. Certamente não é do que seu fígado mais gostaria!

O que ele gostaria é de receber um alimento fonte de carboidrato de alto índice glicêmico como uma simples rapadura (uma colher de mel ou copo de garapa com limão) e iniciar a hidratação com uma água de coco, isotônico ou água, para depois ter uma alimentação parecida com a do dia anterior (rica em carboidratos). A diferença é que, neste dia, poderia comer frutas e fonte proteica magra em todas as refeições principais com o objetivo de iniciar os seguintes processos:

  1.  Normalizar a glicemia a partir de alimento fonte de carboidrato, evitando a possível utilização de proteínas de massa muscular e contendo um processo inflamatório imediato.
  2.  Iniciar a restauração dos estoques de carboidratos (glicogênio hepático e muscular).
  3.  Iniciar o processo de eliminação dos metabólicos indesejáveis e tóxicos (ureia, amônia etc.) associados à atividade física.

Não se deve demorar para fazer uma grande refeição depois que terminar a prova, pois dessa forma estará fornecendo condições para que o fígado ajude o organismo a restaurar o equilíbrio ácido-base, restabelecer os eletrólitos e conter processos inflamatórios, para proporcionar uma renovação dos tecidos exigidos (músculo, tendão, osso etc.) com eficiência e no tempo devido.

Ou seja, uma corrida não termina na linha de chegada. Esse tempo pós-prova é determinante para que o corredor não tenha uma queda considerável do sistema imunológico e evite ficar doente, gripado ou extremamente cansado.

Os textos, informações e opiniões publicados nesse espaço são de total responsabilidade do autor. Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Ativo.com

Sobre o autor

Mariana Klopfer

Mariana Klopfer é formada em nutrição pela Universidade de São Paulo (USP) e diretora clínica da Nutricius - Nutrição Esportiva... VEJA MAIS

Compartilhe por email!