Receba nossa newsletter e fique por dentro do mundo do esporte!

PUBLICIDADE

Prevenção de lesões: uma ciência pouco exata

Prevenção de lesões: uma ciência pouco exata

Quando se fala em prevenir lesões em corredores a primeira coisa que deveria vir à nossa mente são as correções de postura, exercícios de fortalecimento, alongamentos, treinos de movimentos funcionais, palmilhas que melhoram a pisada, calçados que amortecem impactos, alimentos que dão mais energia etc. Mas a verdade é que a maioria de nós enxerga tudo isso como um investimento na melhora do desempenho e não como um tratamento preventivo…

A prevenção de lesões, não apenas em corredores, mas em qualquer praticante de atividades físicas, realmente é pouco trabalhada por sua dificuldade em se ver os resultados. Na verdade, os resultados podem ser considerados como uma especulação, visto que eu não poderia provar que sem um tratamento preventivo um determinado atleta com certeza se machucaria ou não sofreria nenhuma lesão.

Existem diversos trabalhos que usam como metodologia a coleta de dados a respeito de lesões em um determinado esporte durante um período determinado (normalmente de um ano, ou temporada de campeonatos). Em seguida, submetem os atletas a um trabalho para prevenção destas lesões e comparam a quantidade de eventos lesivos do ano (ou temporada) seguinte em relação aos períodos anteriores.

Os resultados são os mais variados. Muitos afirmam que existe uma queda considerável das lesões. Mas outros conseguem mostrar que pode até aumentar o número de atletas machucados. De qualquer forma, ambos são criticados, por exemplo, por omitirem informações (casos em que lesões detalhadas realmente diminuem, mas outras diferentes acabam aparecendo), falhas na metodologia (trabalhos preventivos dados por pessoas diferentes, com técnicas diferentes nos grupos de um mesmo trabalho) e, principalmente, por não serem aplicáveis a todos nós.

A verdade é que estas discussões divergentes sempre ocorrerão, pois é difícil coletar dados de grupos com pessoas semelhantes a nós, com os mesmos hábitos, as mesmas vivências e responsabilidades. E por isso é difícil convencer com argumentos consistentes de que o alongamento (por exemplo), ajuda a evitar lesões. E só é difícil (para não dizer “impossível”) pois também existem argumentos igualmente consistentes que levam a conclusão de que alongar pode aumentar as chances de um corredor se machucar.

Mas fiquemos calmos e não sejamos tão rebeldes a ponto de largarmos tudo o que fazíamos. Não! No fundo, todos nós sabemos ou temos meios de saber o que nos protege e o que nos machuca. Basta pensarmos de maneira lógica: se você sente que quando faz alongamentos antes da corrida seu desempenho melhora, continue alongando. Da mesma forma, quando esta melhora aparece durante as semanas que você faz os exercícios educativos disciplinadamente. Por outro lado, se você reparou que todas as vezes que se alonga ou faz academia sua corrida piora, é porque não está fazendo direito – ou porque eles não são aconselhados. Nesse caso, você está na contramão da prevenção.

Resumindo, um tratamento preventivo tem sim como resultado a melhora no desempenho físico. Se você corre fácil, sem se desgastar, é porque o seu corpo está trabalhando bem, seus músculos estão saudáveis e sem sobrecargas, ou seja, as chances de se machucar estão longe. E apesar das centenas de técnicas e tecnologias para melhorar sua corrida e prevenir lesões, eu ainda defendo a receita mais simples de todas, simplesmente infalível: Coma bem e durma bem. Quem come e dorme bem, vai treinar e correr bem. Não tem erro! rs

 

Os textos, informações e opiniões publicados nesse espaço são de total responsabilidade do autor. Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Ativo.com

Sobre o autor

Marcel Sera

Fisioterapeuta, palestrante e atleta amador! A ideia, aqui, é explicar como usamos e o que acontece com o nosso corpo em cada situação, ação e emoção de nosso dia-a-dia. Correr é uma... VEJA MAIS

Compartilhe por email!