Receba nossa newsletter e fique por dentro do mundo do esporte!

PUBLICIDADE

Provas míticas: Ultra Marathon Caballo Blanco

Provas míticas: Ultra Marathon Caballo Blanco

Há um rol de provas ao redor do mundo que são consideradas míticas e viram desejo de consumo dos atletas. Pensando nisto, de tempos em tempos vou escrever sobre algumas delas. A primeira delas é a Ultra Marathon Caballo Blanco.

Começo por essa prova que tem um simbolismo muito forte por muitas razões. Ela foi imortalizada pelo corredor Christopher McDougall, jornalista formado em Harvard, nos Estados Unidos, que trabalhou como correspondente de guerra na Associated Press e ficou conhecido no mundo running ao lançar “Nascido para Correr” – durante um ano na lista dos mais vendidos do New York Times.

McDougall sofria de constantes dores nos pés mesmo após percorrer parcos quilômetros até que se deparou com um artigo em uma revista que falava sobre a tribo Tarahumara, que vive no norte do México.

Esses índios são famosos por correrem ultradistâncias diariamente e com uma característica que virou conceito: a corrida minimalista. Os integrantes da tribo correm descalços ou no máximo fazendo uso de sandálias huarache.

A reflexão de como eles corriam sem proteção da alta tecnologia, e corriam muito em termos de volume e sem se lesionar fez McDougall buscar suas respostas na tribo que habita o estado mexicano de Chihuahua.

McDougall fez uma imersão mais do que atlética na região, foi espiritual também. Se tornou barefoot e correu várias vezes a Ultra Marathon Caballo Blanco.

Leia mais

A importância de respeitar a cultura local em uma viagem

Cuidados ao correr fora do país

Corridas temáticas: motivação extra para corredores

Índios e índias Tarahumara correm com suas roupas do dia a dia e suas sandálias huaraches, e invariavelmente, estão no lugar mais alto do pódio.

A Ultra Marathon Caballo Blanco é disputada no mês de março na cidade de Urique, região das Barrancas del Cobre, em Sierra Madre, com bastante sobe e desce, e temperatura quente.

Os indios Ramamuri ou Tarahumara estão fortemente presentes no evento chegando a ter mais de 600 integrantes por edição.

Essa é mais que uma corrida, é um evento de cultura, de minimalismo, onde podemos observar os “quenianos” da América e com eles correr.

É prova raiz e de verdade que vale a pena a experiência.

Mais informações, entre no site oficial.

Os textos, informações e opiniões publicados nesse espaço são de total responsabilidade do autor. Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Ativo.com

Sobre o autor

Harry Thomas Jr

Jornalista especializado em corridas de rua desde 1999, Harry competiu pela primeira vez em 1994 e desde então já completou 31 maratonas – sendo três sub 3 horas: São Paulo (2h59min30)... VEJA MAIS

Compartilhe por email!