Receba nossa newsletter e fique por dentro do mundo do esporte!

PUBLICIDADE

Tênis de competição: quando usar

Tênis de competição: quando usar

Há uma dúvida e até uma certa “desconfiança” entre muitos corredores e triatletas amadores, principalmente os que estão iniciando nas respectivas modalidades, sobre se o  tênis  de competição é um privilégio dos atletas profissionais. Sem dúvida alguma, não é!

No Brasil, encontramos alguns modelos de competição extremamente baixos e leves, assim como modelos com um perfil de entressola um pouco mais alto, que também fazem parte da categoria performance.

Para corredores que estejam iniciando na corrida, ou que já participaram de algumas provas, e que nunca experimentaram um modelo de competição, apesar de terem curiosidade e até a vontade de competir ou treinar com um modelo desta categoria, é importante além de experimentarem e de imediato gostarem da leveza e sensação de “pé no chão”, principalmente com relação aos modelos mais baixos, analisarem outros fatores importantes.

Se o tênis atende o tipo de estrutura corporal do atleta com relação ao peso. Se o atleta está um pouco acima do seu peso, é melhor optar por um modelo de performance um pouco mais alto, minimizando o risco de alguma lesão ou possível desconforto durante os treinos e provas. E quando já estiver adaptado ao modelo com um perfil de entressola mais alto e também estiver mais leve, atingindo o peso certo, é mais seguro fazer a transição para os modelos mais baixos e fazer a adaptação lentamente.

Modelos mais baixos e agressivos como Adidas Adizero,  Adios Boost  e  Tempo Boost, Asics Hyper Speed,  Hyper Tri, DS Racer e Piranha, Brooks T7 e ST5, Mizuno Hitogami Ekiden, New Balance RC1400, RC1500,  RC1600 e RC5000,  Nike Streak LT,  Saucony Type A e Fastwitch, On Cloudracer, Puma Faas100,  Skechers GoMeb Speed, Zoot Kiwae, entre outros, requerem uma adaptação por parte do corredor ou triatleta que optar por um desses modelos e que anteriormente não tinha qualquer experiência com tênis de competição.

Há algumas maneiras para a adaptação ser realizada, até o atleta estar efetivamente acostumado ao tênis e, a partir daí, colocá-lo normalmente em treinos de velocidade (tiros e intervalados) e também nas competições.

O atleta pode iniciar a adaptação usando este modelo após o término do treino, trocando de modelo e colocando o tênis de competição trotando bem leve por 15 a 20 minutos, durante os treinos semanais. E repetindo esse procedimento, por duas ou três semanas, até sentir-se confiante com relação ao modelo para colocá-lo nos treinos de velocidade. Atletas que realizam treinos na grama podem iniciar a adaptação ao tênis de competição dessa forma em distâncias curtas e ritmo leve, também por um período de duas ou três semanas.

Para os que não se adaptarem ou não quiserem “se arriscar” com estes modelos “pé no chão”, também tem as opções de modelos considerados “trainer performance”, não tão leves como os muito baixos, porém mais confortáveis e com mais amortecimento. Modelos como  Adidas Boston Boost, Asics DFA-33, Brooks Pure Flow,  Mizuno Sayonara, New Balance Zante Fresh Foam,  Nike Zoom Elite  e Lunar Glide, Saucony Kinvara  e  Mirage, Puma Faas 300Skechers GoRun Ride, entre outros.

Bons treinos!

Os textos, informações e opiniões publicados nesse espaço são de total responsabilidade do autor. Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Ativo.com

Sobre o autor

Rodrigo Roehniss

Graduado em Administração de Empresas com MBA em Gestão em Marketing Esportivo, Rodrigo Roehniss é especialista em tênis de corrida, além de prestar consultoria sobre o universo de pro... VEJA MAIS

Compartilhe por email!