Receba nossa newsletter e fique por dentro do mundo do esporte!

PUBLICIDADE

Pesquisa brasileira quer avaliar tríade da mulher atleta em corredoras amadoras

Déficit nutricional, amenorreia e baixa densidade óssea. Esses três fatores combinados caracterizam a tríade da mulher atleta (TMA). E é sobre essa condição em corredoras amadoras que uma pesquisa brasileira quer lançar luz, entendendo sua prevalência e os fatores de risco.

A TMA é conhecida e bem documentada entre atletas profissionais, mas ainda há poucos estudos que abordam como a síndrome afeta as amadoras. Entre as corredoras brasileiras, especificamente, o levantamento desses dados é inédito.

É justamente isso que a corredora Angela Cardoso Machado, com 20 anos de história no esporte, quer avaliar em seu Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) da faculdade de fisioterapia.

“No esporte profissional a TMA já é bem estudada, porém entre nós, amadoras, ela ainda é subestimada e pouco conhecida”, diz Angela, que foi levada à faculdade de fisioterapia por seu amor pela corrida depois de se formar em administração e desenvolver carreira na área comercial e de operações.

Em seu currículo de atleta, são 20 anos de dedicação ao esporte, com seis maratonas, entre elas a almejada Maratona de Boston, em que estabeleceu a marca de 3h13min – mas também o diagnóstico de Tríade da Mulher Atleta (com quatro fraturas por estresse), síndrome ainda pouco estudada em atletas amadoras.

“Meu projeto tem a finalidade de levantar dados sobre os fatores de risco para a TMA, gerar conhecimento entre os profissionais da área da saúde e principalmente ajudar as corredoras a praticarem a corrida de forma mais saudável”, completa Angela.

As corredoras interessadas em colaborar com a pesquisa, orientada pela professora Alethea Gomes Nardini, doutora em Fisioterapia e mestre em Educação Física. precisam apenas responder um questionário online.

Para acessar a pesquisa, clique aqui.

Leia mais

Como a tríade da mulher atleta destruiu o corpo e a mente de promessa britânica

Fratura por estresse: será que foi erro de treino?

Os pontos fracos do corpo da corredora

excluir cat: nao, desativa sempre post: nao, ativa sempre post: nao
Compartilhe por email!