Receba nossa newsletter e fique por dentro do mundo do esporte!

Por que dói?

Está com dor? Onde?
Sinalize o local da sua dor que indicamos para você quais os possíveis diagnósticos, tratamentos, fortalecimentos e uma séria de dicas para aliviar sua dor e voltar aos treinos novinho em folha!

1 2 3 4 5
1 2 3 4 5 6

Distensão da Panturrilha

30 de março de 2016 por Redação Por que dói?

Estiramentos geram fortes dores nos músculos gastrocnêmio e sóleo, responsáveis por amortecimento e propulsão nas passadas.

Causa

  • Esforço excessivo, principalmente na explosão
  • Exagero no aumento de volume semanal dos treinos
  • Aumento prematuro de treino de velocidade
  • Deficiência de flexibilidade e desequilíbrio de forças entre músculos opostos

Sintomas

  • Dor súbita e intensa na “batata da perna”, acompanhada ou não por um estalido
  • Dor e impotência funcional até para andar
  • Inchaço, tensão e depressão visível ou palpável
  • Hematoma em lesões de maior extensão e gravidade
DistensaoPanturrilha
Músculos da panturrilha

Tratamento

  • Interromper a atividade ao primeiro sinal de dor
  • Aplicar gelo na região da panturrilha por vários dias seguidos, seguidos de anti-inflamatórios e analgésicos, se receitados
  • Elevação e repouso da perna, com auxílio de muletas, se necessário

Prevenção

  • Procurar um médico para imediato e correto diagnóstico do grau da lesão
  • Alongar os músculos da panturrilha ao sinal de dores
  • Fortalecer músculos da panturrilha, do tornozelo e posteriores da coxa
  • Revezar superfície de corrida, com terra, grama e areia, além de asfalto e cimento

Retorno às corridas

  • Quando as dores sumirem por completo, ao se movimentar e apalpar o local
  • Com o sumiço do inchaço, do calor e das dores ao massagear
  • Somente com total amplitude e igualdade de movimentos entre as pernas

Grupo de músculos da panturrilha sofre lesões, que provocam fortes dores e interrompem a atividade”

Bastante comuns em velocistas, a distensão geralmente é causada por um grande esforço, que leva à ruptura de fibras musculares. Você sente uma dor súbita, acompanhada de um estalido e, no instante seguinte, não consegue dar outro passo. Se essa dor e estalido acontecerem na “batata da perna”, pode apostar: é uma distensão. A sensação da distensão é que alguma coisa atingiu sua perna por trás – daí o nome “síndrome da pedrada”.

Mais comuns nos treinos de tiro, a distensão da panturrilha é uma lesão indireta (traumática), que ocorre tanto na aceleração quanto na frenagem, e exige um longo tempo de recuperação. Os grupos musculares mais atingidos pela distensão são os isquiotibiais (coxa) e os gastrocnêmios (ou gêmeos). Esses grupos atravessam duas articulações (biarticulares) e possuem mais fibras do tipo II (contração rápida, alta potência e breve fadiga) do que do tipo I (de contração lenta e resistentes à fadiga).

No grupo da panturrilha (tríceps sural), os músculos envolvidos na distensão são os gastrocnêmios (cabeças medial e lateral), que ficam na região posterior da perna, abaixo dos joelhos, e recobrem outro músculo, chamado sóleo.

Juntos, esses músculos atuam como flexores plantares dos pés (ou seja, fletem o pé para baixo), responsáveis pelos movimentos combinados de flexão e frenagem da extensão do tornozelo, mais um pequeno auxílio na flexão do joelho. O gastrocnêmio também age como flexor dos joelhos quando a perna não estiver suportando o peso. É inervado pelo nervo tibial.

A lesão da distensão ocorre predominantemente na fase excêntrica da contração muscular. O ponto mais comum é justamente a porção medial do gastrocnêmio (na junção musculotendínea), por causa de sua maior capacidade de força em todo o conjunto e pela ativação neural mais rápida. Treinamento incorreto, fadiga muscular, deficiência de flexibilidade, desequilíbrio de forças musculares, problemas nutricionais ou hormonais e a presença de infecções também contribuem para a ocorrência de distensões.

A principal mudança causada por lesões anteriores é na biomecânica do movimento, principalmente pela presença de tecido fibroso no lugar das fibras musculares originais, o que provoca maior rigidez, limitação de movimento e alteração da flexibilidade. E fique atento: músculos já curados podem encurtar de tamanho. Por isso, antes de correr, é necessário fazer

Compartilhe por email!