Receba nossa newsletter e fique por dentro do mundo do esporte!

PUBLICIDADE

Por que dói?

Está com dor? Onde?
Sinalize o local da sua dor que indicamos para você quais os possíveis diagnósticos, tratamentos, fortalecimentos e uma séria de dicas para aliviar sua dor e voltar aos treinos novinho em folha!

1 2 3 4 5
1 2 3 4 5 6

Síndrome da Plica Sinovial

30 de março de 2016 por Redação Por que dói?

Dor no joelho pode ser uma dobra na membrana que envolve toda a articulação.

Causa

  • Sobrecarga nos joelhos
  • Esforço repetitivo
  • Traumatismos
  • Desalinhamento da perna
  • Mudanças de direção bruscas
  • Rotações

Sintomas

  • Dores na parte de dentro da articulação, que pioram quando se flexiona o joelho
  • Estalidos durante o movimento
  • “Falha” no joelho enquanto se anda ou corre
PlicaSinovial
Membrana que envolve a articulação do joelho

Tratamento

  • Aplicação de gelo (duas a três vezes ao dia, por 15 a 20 minutos)
  • Uso de anti-inflamatórios
  • Fisioterapia
  • Aplicação local de corticosteroide (infiltração)
  • Laser de baixa intensidade
  • Em último caso, ressecção (retirada) por uma artroscopia simples do joelho

Prevenção

  • Pratique aquecimento e alongamento
  • Escolha o tênis certo
  • Reduza volume e intensidade, e evite descidas se sentir dor
  • Fortaleça, use gelo e massageie os músculos

Retorno às corridas
Quando conseguir, sem sentir dor:

  • Apalpar a região externa do joelho
  • Correr em linha reta, em velocidade
  • Dobrar todo o joelho, e retorná-lo

Espécie de dobra na membrana que envolve toda a articulação do joelho. Em 5% dos casos causa dores, inflamação e dificuldade no movimento”

Mais complexa articulação do corpo, o  joelho  é um emaranhado de ossos, nervos, músculos e cartilagens que dificilmente apresenta problemas para quem o usa apenas para caminhar. Já os atletas que o forçam em corridas, mudanças de direção bruscas, rotações etc. estão sempre sujeitos a sofrer lesões. Entre elas, a síndrome da plica (ou prega) sinovial. O nome é uma referência ao tipo de articulação que caracteriza o joelho: articulação sinovial — ou seja, que é revestida por uma fina membrana, chamada sinovial, que secreta um lubrificante que reduz atritos.

Espécie de dobra na bainha dessa membrana, a síndrome da plica sinovial é considerada uma anomalia — característica do período embrionário, ela deveria ser absorvida pelo organismo no terceiro ou quarto mês de gravidez. Ainda assim, está presente no joelho de mais de 70% das pessoas, à razão de cinco plicas por joelho. Até aí, nada demais. O problema é quando ela se torna patológica (isto é, causa complicações), seja por sobrecarga, esforço repetitivo, traumatismos ou desalinhamento da perna.

Patológica
Possivelmente devido ao atrito com o fêmur, a membrana sinovial se inflama, fica mais espessa e apresenta o que os médicos chamam de “plica patológica” e ocorre a síndrome da plica sinovial. De acordo com o dr. Adriano Leonardi, médico ortopedista especialista em cirurgia do joelho, artroscopia e traumatologia do esporte, o atleta que apresenta plica sinovial patológica costuma se queixar de dor, estalidos durante o movimento do joelho, inchaço e, em casos mais graves, um certo bloqueio do movimento e “falha” do joelho enquanto anda ou corre.

É pior pela manhã
“A dor geralmente ocorre na região anterior e parte da região anteromedial da articulação (parte de dentro), e piora quando se realiza flexão do joelho ou quando se permanece por períodos prolongados com o joelho flexionado”, explica o dr. Adriano. “A síndrome da plica sinovial é pior pela manhã, diminuindo gradualmente à medida que o dia avança.”

Estima-se que em apenas 5% dos casos a síndrome da plica sinovial causa algum problema, como dores, inflamação e dificuldade no movimento.

Tão complicado quanto o nome da lesão é a identificação da síndrome da plica sinovial. Os sintomas são parecidos com os da síndrome femoropatelar, da bursite da pata-de-ganso, da osteocondrite dissecante e da lesão meniscal. Daí ser confundida com esses problemas. O diagnóstico geralmente é feito por exclusão. Para isso, depois de realizar o exame clínico, o médico pode solicitar alguns exames de imagem, como ressonância magnética.

Compartilhe por email!