Receba nossa newsletter e fique por dentro do mundo do esporte!

Você sabe que tipo de lesões a pisada supinada pode causar?

Pisada supinada é aquela que tem como característica o uso da parte externa do pé para dar o impulso na hora da passada. Nela, o dedo mínimo é que finaliza o movimento de impulsão e o contato com o solo é maior com o lado externo do pé. 

Pessoas com pé cavo, caracterizado por um arco plantar excessivamente alto, são as que desenvolvem esse tipo de pisada, a menos comum entre os três tipos – as outras duas são neutra e supinada.

O que poucos sabem é que a pisada supinada aumenta o risco de algumas lesões, exatamente por conta da altura do arco plantar. “Devido ao aumento exagerado deste arco plantar, há uma retração da fáscia que pode levar a lesões como fascíte ou até mesmo predispor a entorses de tornozelo. Toda alteração, como a supinação excessiva, que leva a um desalinhamento do padrão ideal, gera mais sobrecarga, principalmente na região da borda lateral do pé”, diz Thiago Fakuda, diretor-clínico do Instituto Trata.

Lesões no joelho também são mais comuns em quem tem pisada supinada. “Com a curvatura para dentro, há mais chances de lesões no joelho, pois o atleta sofre maior impacto na parte externa”, explica Moisés Cohen, diretor do Instituo Cohen de Ortopedia, Reabilitação e Medicina do Esporte.

 

Leia mais

10 exercícios de força com o foam roller; aprenda

3 dicas para corrida de rua: pisada, respiração e fone de ouvido

Tipos de treino de corrida para quebrar a monotonia

 

As lesões mais comuns para esse tipo de pisada são: fascíte plantar, entorses no tornozelo, sobrecarga no joelho, tendinite na tíbia e no calcâneo, formação de calos e, em menor escala, problemas no quadril.

Para evitar problemas decorrentes da pisada supinada é preciso prevenir-se. “De forma inicial, o corredor deve fazer um exame de baropodometria, que faz uma análise da pisada por meio de sensores. Com isso, procurar a confecção de palmilhas para o tipo de pisada pode ser uma boa solução, pois ela ajudará a distribuir a carga na planta do pé”, aconselha Moisés Cohen.

Além disso, é importante procurar um especialista em reabilitação para detectar problemas ou disturbios do movimento caso você venha sentindo incômodos e dores. “Iniciar um programa de relaxamento e alongamento da fáscia plantar e músculos da panturrilha é uma boa ideia. Exercícios de fortalecimento do quadril (glúteos), coxa e, principalmente, músculos ao redor do tornozelo, são essenciais”, finaliza Fakuda. 

Por fim, é sempre aconselhável procurar um tênis feito para sua pisada. Caso não se adapte, um tênis com pisada neutra, mas com uma palmilha especial para o seu pé pode ser a solução. 

Clube O2

Garanta já seu Tênis New Balance!

Compartilhe por email!