Receba nossa newsletter e fique por dentro do mundo do esporte!

Sente dor nos glúteos após pedalar?

Sentir dor nos glúteos após pedalar pode parecer normal depois de um longo tempo em cima do selim ou ao passar com a bike por percursos muito irregulares que podem provocar um atrito excessivo contra a região. Mas o que a princípio aparenta ser apenas um “desconforto” pode na verdade ser indício de uma lesão muito comum em ciclistas, a síndrome do piriforme. Trata-se de um problema que atinge o ciático, que é o principal nervo dos membros inferiores, e na maioria dos casos faz com que o ciclista tenha de suspender temporariamente a atividade para tratamento do quadro. A seguir, o médico ortopedista Cristiano Frota de Souza Laurino, mestre em ciências pelo Departamento de Ortopedia e Traumatologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e diretor científico da Sociedade Brasileira de Traumatologia do Esporte (Sbrate), explica mais detalhes sobre essa síndrome.

O que é

O piriforme é um pequeno músculo localizado na região glútea que tem como função realizar a rotação externa, extensão e abdução do quadril. Ele se estende por debaixo do glúteo máximo, preso à parte superior do fêmur (osso da coxa) e posteriormente ao glúteo mínimo. A síndrome é caracterizada quando o piriforme comprime o nervo ciático, causando sua inflamação. O ciático sai da pelve (bacia) em direção à região glútea, passando por baixo do piriforme — ou através dele, no caso de algumas pessoas (cerca de 15%), o que leva a uma maior propensão ao problema. A compressão ocorre quando o músculo está tenso, hipertrofiado ou apresenta um espasmo localizado. 

Causas

A posição sentada por longos períodos em cima da bicicleta ou mesmo os impactos repetidos durante um treino de mountain bike — ou em um pedal em terreno muito irregular — podem provocar a compressão e inflamação do nervo ciático. O problema também pode ser causado por distúrbios na anatomia local (forma do músculo ou posição do nervo em relação ao piriforme), associados a grandes volumes e intensidade de treinamento, intervalos curtos de recuperação e fadiga muscular.

Diagnóstico

O principal sintoma é uma dor profunda localizada na nádega, após o pedal, caracterizada por uma queimação e que pode ser irradiada para a coxa do mesmo lado. Ela piora ao caminhar, correr ou fazer movimentos de rotação lateral do quadril, como quando sentamos com as pernas cruzadas.

A dor também é percebida durante os movimentos de sentar e levantar de uma cadeira. O histórico do paciente e o exame clínico — que consiste no exame ortopédico e testes de movimentação do quadril — são fundamentais para o diagnóstico adequado.

 

Leia mais

Sente dormência nas mãos quando pedala?

Sente dor nas costas ao pedalar?

Câncer de próstata em ciclistas: mitos e verdades

 

Tratamento

O tratamento envolve medicamentos analgésicos, anti-inflamatórios e relaxantes musculares sob prescrição médica. Nesse período, é necessário reduzir ou interromper por tempo indeterminado as atividades que desencadeiam o quadro. Acupuntura e fisioterapia são fundamentais para a melhora

da dor. O tempo até a melhora da dor geralmente é longo, sobretudo se não forem respeitados os prazos estipulados no tratamento. Cirurgias também podem ser indicadas caso não haja melhora dos sintomas com o tratamento conservador.

Prevenção

Para prevenir o problema, recomenda-se fazer uma avaliação biomecânica para o correto posicionamento sobre a bicicleta (bike fit), além de ter um acompanhamento profissional para um treino adequado e individualizado, com exercícios de alongamento e aquecimento apropriado. Também deve haver moderação nos exercícios de fortalecimento de glúteos, que sempre devem ser acompanhados por alongamento. A seguir, o fisioterapeuta e especialista em bike fit Fernando Rainho dá dicas de alguns exercícios de alongamento que podem ajudar a prevenir a dor nos glúteos após pedalar. Cada alongamento deve ser mantido por cerca de 30 segundos e realizado em três repetições com cada perna.

 

– Alongamento de glúteos e piriforme sentado

Sentado, manter a perna a ser alongada cruzada sobre a perna oposta, que deve ser mantida esticada no chão. Com o braço do lado da perna esticada, abraçar o joelho da perna a ser alongada e puxá-lo em direção ao peito. Para dar maior ênfase ao alongamento, pode-se realizar rotação do tronco por completo em direção ao joelho, sem diminuir a proximidade do joelho com o tronco.

 

 

– Alongamento de glúteos e piriforme deitado

 Deitado, apoiar o pé da perna a ser alongada cruzado sobre a perna oposta flexionada. Com as mãos, puxar a perna de apoio em direção ao peito.

 

 

– Alongamento clássico de isquiotibiais

 Deitado, manter uma das pernas dobrada ou esticada no solo. Com ajuda de uma toalha ou faixa elástica firme apoiada na sola do pé, elevar a outra perna, sentindo alongá-la, e puxar a faixa ou toalha enquanto a mantém no alto com o joelho esticado. Como evolução, pode- se deixar a perna “tombar” ao lado do corpo, também puxando a faixa/ toalha com as mãos, o que dará um pouco de ênfase aos glúteos.

 

 

– Alongamento específico de piriforme

 Deitado, abraçar o joelho da perna a ser alongada com a mão do braço oposto, e puxar o joelho em direção ao peito e ao ombro oposto.

Calendário

Encontre um evento de bike perto de você!

Compartilhe por email!
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]