Receba nossa newsletter e fique por dentro do mundo do esporte!

PUBLICIDADE

Veja as principais trilhas no Brasil para você treinar mountain bike

Foto: TrailScapes

O Brasil é um lugar muito generoso para os fãs do mountain bike. Bonito por natureza, nosso país oferece inúmeras opções de trilhas para treinar mountain bike, desde as mais exigentes, com trechos técnicos, subidas e descidas, até percursos mais tranquilos, para simplesmente se deleitar com o visual maravilhoso em cima da bike.

Do Oiapoque ao Chuí, são tantas boas alternativas que se torna praticamente impossível eleger as melhores para se pedalar por aqui. Abaixo, damos algumas sugestões de lugares para treinar mountain bike ao redor do país.

Onde treinar mountain bike no Brasil

Pista de XCO n Cristo (alto da Serra de São Domingo).

Poços de Caldas, cidade localizada na região sudoeste de Minas Gerais, 468 km distante de Belo Horizonte e 261 km de São Paulo.

  • Características do percurso: há subidas bem íngremes (é possível fazer trilhas por lá saindo de 1.250 metros para cerca de 1.600 metros de altitude) e descidas muito técnicas, com pedras, curvas e dificuldades naturais. Há um rock garden (trecho de pedras) para deixar o percurso ainda mais técnico. É uma pista que não permite distrações e exige estar concentrado o tempo todo.
  • Nível de dificuldade: existem vários níveis técnicos nessa trilha, onde um atleta que está começando pode andar em companhia de um atleta mais avançado. O rock garden é aberto a todos, mas é uma sessão onde é preciso ser muito técnico.

Trilhas do Visual, da Serra do Padre, das Antenas e do Curral.

Itaúna, cidade situada na região metropolitana de Belo Horizonte, distante 76 km da capital mineira.

  • Características do percurso: todas são bem técnicas, algumas com mais cascalho e outras com subidas íngremes e descidas rápidas. Porém, há muitas porteiras no caminho e é preciso parar para abrir ou pular. Também é difícil fazer um treino mais leve nessas trilhas, pois exigem muita força por conta das subidas.
  • Nível de dificuldade: são para quem já possui certa experiência em trilhas, pois é necessário um pouco de técnica para pedalar nelas, mesmo que devagar.

Circuito do Morro do Frota e Fazenda Maria José.

Pirenópolis, cidade na região central de Goiás, cerca de 120 km distante de Goiânia.

  • Características do percurso: o circuito do Morro do Frota é repleto de subidas duras e técnicas para treinar mountain bike, com muitas pedras, além de descidas divertidas repletas de rock gardens naturais. O percurso não tem raízes, mas quando chove, ou mesmo quando passam motoqueiros, fica complicado pedalar em alguns trechos, onde, nessas condições, só é possível passar empurrando. Já na fazenda da Maria José, o circuito é travado e veloz, sem longas subidas e dentro da mata. Exige uma pilotagem mais agressiva. Quando chove, o piso fica bem escorregadio, ou então alaga, porque fica à beira do rio.
  • Nível de dificuldade: são dois circuitos com características diferentes, mas com um grau de dificuldade mais elevado. Perfeito para quem quer continuar progredindo.
  • Plano B: para os amadores, tem pedais muito legais, como subir o Morro dos Pirineus e conhecer uma cachoeira. O melhor é começar um pedal pelo Morro dos Pirineus e depois ir conhecendo a imensidão de trilhas, mas sempre com alguém para te guiar caso não conheça o local.

Reserva florestal

Bom Despacho, cidade na região central de Minas Gerais, distante 120 km de Belo Horizonte.

  • Características do percurso: a região é boa para pedalar, com muitas estradas que ligam um distrito ao outro por perto, além de uma paisagem bem bonita. Há obstáculos naturais como raízes e erosões que ajudam a melhorar a técnica. Mas não é indicado para um treino regenerativo.
  • Nível de dificuldade: difícil, pois não existe muito “respiro” nessa trilha. É bem intensa e técnica.

Trilha do Mato Seco

Guaratinguetá e Campos do Jordão, cidades a cerca de 175 km da capital paulista, ambas situadas na região do Vale do Paraíba.

  • Características do percurso: a trilha do Mato Seco apresenta tops curtos e alguns trechos planos, mas sem singletracks, sendo mais tranquila, de nível técnico moderado. Já em Campos do Jordão as trilhas são repletas de singletracks bem técnicos.
  • Nível de dificuldade: a trilha em Guaratinguetá não possui um nível técnico muito forte, portanto não é necessária muita habilidade. Em Campos o nível técnico é mais elevado e exige mais experiência do mountain biker.

Trilha do Macaco (no Morro do Macaco)

Monte Sião, cidade no sudoeste de Minas Gerais, a 470 km de Belo Horizonte e 160 km de São Paulo.

  • Características do percurso: é uma trilha com trajeto bem variado e completo para treinar mountain bike, com curvas fechadas e subidas também. Fica localizada em um morro, então já dá para imaginar que existem muitas subidas. Por estar em uma região com muitas trilhas, dá para “emendar” uma na outra e fazer um grande pedal, podendo chegar até na casa centenária de quilometragem.
  • Nível de dificuldade: possui alto nível técnico. É ideal para quem quer progredir, treinar força, técnica, agilidade e alguns saltos. Um amador ou iniciante deve ter consciência dos seus limites, pois é uma trilha que vai exigir mais.

Trilhas do Trator, Sete Rios ou Jardim Botânico

Indaiá, cidade catarinense a 160 km de Florianópolis, às margens da BR-470.

  • Características do percurso: Essas trilhas possuem subidas com muitas raízes, pedras e cascalhos, o que é muito bom para quem quer evoluir tecnicamente. Mas a parte da estrada de chão é complicada, por conta das dificuldades naturais.
  • Nível de dificuldade: embora tenham partes mais técnicas, as trilhas em si não apresentam um nível técnico tão alto que seja impedimento para um amador ou iniciante.

*Por Daniel Balsa

Clube O2

Clube O2 + Mochila de Hidratação!

excluir cat: nao, desativa sempre post: nao, ativa sempre post: nao
Compartilhe por email!