Receba nossa newsletter e fique por dentro do mundo do esporte!

PUBLICIDADE

Ex-morador de rua amputado completa a Comrades de muletas

Foto: Divulgação

A Comrades, ultramaratona realizada na África do Sul no início de junho, foi palco de uma bela história de superação do sul-africano Xolani Luvuno, de 33 anos. Sem poder usar sua lâmina de corrida na cobiçada prova, Luvuno, que teve a perna direita amputada em 2009 após sofrer com um câncer, se viu obrigado a concluir a prova de 90 km apoiado em duas muletas.

Os problemas com as lâminas de corrida levaram a organização a permitir que ele tivesse algumas horas a mais para completar o desafio – o tempo-limite para os participantes é de 12 horas. Apesar das dificuldades, o sul-africano, que largou antes dos demais competidores, conseguiu cruzar a linha de chegada em 15h50min. 

Superar obstáculos através do esporte é uma das especialidades de Luvuno. Anos antes de cogitar a participação na Comrades, a amputação da perna direita o conduziu a um quadro de alcoolismo. A dependência química evoluiu e contribuiu para que ele morasse nas ruas de Pretoria, sobrevivendo de esmolas dadas por moradores locais.

Morador de rua até 2016, ele foi salvo após um encontro com o empresário Hans Venter, que lhe ofereceu ajuda e o incentivou a participar de grupos de reabilitação. Livre do alcoolismo, ele começou a correr e pegou gosto pela modalidade.

 

Leia mais

Pernas de Aluguel: levando a corrida para todos

Prótese para paratleta no Brasil: artigo de luxo?

O que é a dor de lado e por que a sentimos durante a corrida?

 

Venter presenteou Luvuno com uma lâmina de corrida, peça essencial para que ele participasse das provas. No entanto, semanas antes da Comrades, a lâmina provocou uma ferida em seu corpo. Nem assim ele desistiu de participar da prova, recorrendo às muletas para alcançar seu objetivo.

Emocionado com o seu feito, ele foi presenteado com uma medalha especial, gravada com o seu nome, diferente das medalhas dadas aos atletas que completam a prova dentro do tempo limite de 12 horas.

 “Obrigado a todos pelo apoio. Me sinto impressionado com o que vi aqui”, agradeceu.

Agora, Luvuno tem metas ainda mais ambiciosas: cogita a participação nos Jogos Paralímpicos de 2020, em Tóquio, e a disputa de um Ironman.

excluir cat: nao, desativa sempre post: nao, ativa sempre post: nao
Compartilhe por email!