Receba nossa newsletter e fique por dentro do mundo do esporte!

Corra o presente: ele ensinou para a família o amor pela corrida

Foto: Ricardo Soares

Ele começou a correr quando ainda nem existia por aqui essa história de corrida de rua; era coisa que só no Exército se fazia. Seu João, 83 anos, corre há mais de 70. Descobriu jovem, com seu pai, a caminhada como uma forma de fé e de devoção. “Eu sou de uma época em que não havia estrutura nenhuma, poucas corridas, nem davam medalhas. E meu pai era um andarilho pela fé, um ‘Forrest Gump’ que caminhava quase 100km por dia”, relembra ele, que acompanhava algumas caminhadas – e começou a correr neste meio tempo.

Seu João descobriu que correr podia ser muito mais divertido. E se orgulha de ter construído uma família que vive o esporte como estilo de vida, que herdou esse amor pela endorfina. E mais ainda, que aprendeu pelo exemplo dentro de casa, como o esporte é parte fundamental da vida de qualquer um. “Meu pai me ensinou o amor pela corrida e ver que eu consegui ensinar pra minha família que o esporte faz parte de uma vida feliz, já me deixa feliz”, diz, sorrindo.

 

Seu João, seu filho e sua neta: uma história de amor pela corrida
Seu João, seu filho e sua neta: uma história de amor pela corrida

Pai , essa é pra você’

E quem seguiu os passos dele na corrida foi seu filho, Sérgio Miranda, médico especialista em cirurgia da face, maratonista e pai da Victória. “Sempre corri, mas a veia de corredor veio quando meu pai me desafiou a bater o tempo dele na meia-maratona. E, pra você ver como o “velho” é duro na queda: demorei dez anos para conseguir”, relembra ele. Aos 62 anos, Seu João fez 21 km em 1h29min; 10 anos depois que aceitou o desafio de bater o tempo do pai, Sérgio conseguiu correr em 1h28min40seg.

 

Leia mais

Os melhores apps fitness para seu treinamento

Para aliviar a ansiedade, corrida pode ser melhor que remédio

A temida canelite: saiba como evitar e tratar

 

Para o médico, o amor pela corrida aproximou a família e é a razão pela qual Seu João é tão saudável. “Quando eu vejo meu pai assim, quero ser assim. Meu pai sempre nos colocou em primeiro lugar, sempre foi presente. Um pai que educou de verdade: veio de uma família humilde, mas com muita vontade de viver, de aprender, de ser melhor, de evoluir. E isso eu vou levar para a vida. Temos uma família muito legal e saudável , todos amparados na estrutura desse ‘velhote’ aqui. Somos realizados com o que conseguimos. Meu pai é o máximo”, diverte-se o filho cheio de orgulho.

O que é ser um pai corredor? “É ensinar que é possível correr e fazer qualquer outra coisa. Trabalhar, ter um esporte e viver melhor a vida com um esporte para praticar. Para viver nessa cidade maluca é preciso de um esporte para aguentar o tranco. Meu pai é tudo. Meu pai me ensinou a ser homem, a aprender na tristeza e na alegria. Se eu for um quarto do que meu pai foi pra mim, já fico muito feliz”, diz Sérgio.

Amor pela corrida: corra o presente em família
Amor pela corrida: corra o presente em família

No DNA e no exemplo de vida

E o esporte não está só no DNA da família Miranda. Parece presente entre eles pelo exemplo e pela inspiração. Victória nasceu nessa família de corredores e já foi campeã brasileira de natação. Segundo o pai e o avô, é ela a verdadeira atleta da família. Eles estão só brincando de competir. Mas, vê-se nos olhos de Victória, o brilho do exemplo, da inspiração e de como compartilhar o esporte dentro de casa é capaz de transformar as pessoas para melhor.

“Meu pai é meu exemplo, na carreira, na corrida, com seu jeito de ser e agir com as pessoas.  Meu pai fala comigo com muito carinho. E isso faz muita diferença. Se eu tenho um problema, é com ele que eu divido. Me traz paz o abraço dele, é meu porto seguro. Fico muito emocionada em falar dele”, derrete-se a filha de Sérgio. “Ele corre muito forte, tem tempos bons, maratonas sofridas num ritmo que eu não consigo imaginar. É muito difícil fazer o que ele faz. Ele é bruto, vai num ritmo bruto. E eu adoro isso! É minha inspiração em tudo, principalmente no esporte. E o vovô é o grande exemplo nosso, não só eu, meu pai, mas todos da família sempre viram o vovô correr, e ele inspirou a família toda”, conta a mais jovem corredora do clã Miranda.

Pai de dois filhos, avô de três netos e bisavô, Seu João se emociona ao falar do amor pela corrida compartilhado em família: “É difícil dizer de quem partiu esse amor por correr: de mim, ou do meu pai? Não sei dizer, mas o esporte trouxe harmonia para dentro de casa. A família em si é a principal coisa que existe, o comando de tudo. Sem família eu não seria ninguém e sem a corrida não seríamos felizes”, diz.

Perseverança, entusiasmo e evitar excessos são alguns dos segredos do Seu João estar em forma aos 86 anos, morar sozinho, dirigir, correr por aí… O amor pela corrida aproximou a família Miranda; e essa é apenas mais uma das histórias emocionantes do esporte, que mostram o presente que é estar entre aqueles que você ama, correr em família.

A vida é hoje. Corra o presente , corra com seu pai, sua família, seus amigos. Compartilhe momentos que deixem seu coração acelerado. Que te façam feliz.  Feliz dia dos Pais!

 

Calendário

Encontre um evento de corrida perto de você!

Clube O2

Garanta já sua Jaqueta

Compartilhe por email!
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]
[i]