Receba nossa newsletter e fique por dentro do mundo do esporte!

PUBLICIDADE

Goretinha, uma rainha das montanhas aos 62 anos

Foto: Adam Tavares

Gorete Maria Tavares de Sousa — a Goretinha, como é conhecida — tinha 52 anos quando recebeu o convite de uma amiga para caminhar no parque onde morava em Osasco (SP). Juntas, andaram por poucos quilômetros. No dia seguinte, quis repetir a dose. Como a amiga não podia ir, foi sozinha mesmo. Ao observar outras pessoas correndo, resolveu experimentar por curiosidade.  Desenvolveu uma relação de cinco anos com o asfalto e foi se enveredar pelas montanhas, onde encontrou sua verdadeira paixão.

“No meu primeiro dia correndo na montanha, fiquei tão coberta de lama que ela nunca mais saiu de mim”, brinca.

“Paulista de sotaque caipira”, a lojista de 62 anos de idade coleciona centena de medalhas das provas de que já participou, faz treinos diários com o acompanhamento de uma assessoria esportiva e conta com uma nutricionista que prioriza ingredientes naturais, inclusive nos suplementos utilizados durante as provas.

Com sua bagagem de despertar inveja em muito corredor por aí, Goretinha é uma das poucas mulheres de sua idade que pratica corrida de montanha.

De grão em grão

Sua primeira prova foi a corrida do Graacc, de 5 km. Aos poucos, aumentou sua quilometragem, até chegar aos duros 140 km da Volta à Ilha, onde correu dois trechos de 35 km. Também marcou presença em revezamentos e duas maratonas.

Meias-maratonas? “Elas se tornaram corriqueiras para mim, coisa que eu fazia durante a semana”, conta. As muitas participações nacionais em provas de montanha se estenderam para desafios além do solo brasileiro: os 42 km na Patagônia e os 54 km em Mendoza, na Argentina, à qual se refere como uma prova “muito completa e linda”.

Mas o melhor lugar para correr, segundo a experiente corredora, é em Minas Gerais.

“Conheço todas de cabo a rabo (as trilhas de Minas Gerais). São muito desafiadoras, possuem montanhas majestosas. Passa Quatro, para mim, é o melhor lugar que há, com a Serra dos Marins, a Serra Fina e o Pico dos Três Estados”, relata Goretinha.

 

Leia mais

Escolhi celebrar meus 25 anos de corrida na Mizuno Uphill Marathon

Ciclo de superação de transplantado termina com pedido de casamento em Chicago

Kathrine Switzer, a primeira mulher a correr oficialmente em Boston

Dura na queda

Goretinha tem como distância preferida “qualquer uma acima de 40 km”. Menos do que isso, difícil. De perrengues, recorda-se de alguns. O mais recente foi em 2017, nos 43 km na Serra da Canastra. O local é uma cadeia de montanhas formada por pedra-sabão, com terreno muito técnico e perigoso.

“Havia pouca gente na prova. Larguei em um grupo de 25 pessoas, mas após cerca de 8 km, uma amiga caiu e quebrou o dedo. Fiquei com ela até o socorro chegar e, após o resgate, segui sozinha”, conta. “Consegui manter a calma e seguir em frente, mas passei por lugares em que tive de pedir para Deus iluminar meu caminho, pois se eu caísse em alguma vala, só urubu me encontraria”, rememora aos risos.

Outra situação complicada aconteceu na Insane de Andradas. Apesar de sua capacidade para suportar longas distâncias e percursos difíceis, Goretinha tem medo de altura.

“Em certo ponto do percurso dessa prova é preciso andar pelos dormentes da linha férrea, elevada. Tenho as pernas curtas e meus passos não cobriam o intervalo entre os dormentes. Senti vertigem e tiver de engatinhar – se eu caísse, seria uma queda fatal. Saí com o joelho todo machucado, mas consegui passar. Era para ser um trajeto de 50 km – no fim, fizemos 63 km. Mas foi maravilhoso.”

Goretinha, uma rotina quase profissional

O relógio marca 5h30 e o início de mais uma jornada de treino para Goretinha, que consiste em duas horas seguidas de corrida no Parque Alfredo Volpi, no Parque Burle Marx e dentro da USP.

“Às vezes treino no alto do Sumaré, na Rua Iberê, que é uma espécie de montanha. Também faço muita escadaria, amo fazer esse tipo de treino”, fala.

Aos fins de semana, são quatro horas de corrida em montanhas a um pace médio de 4’30”, surpreendente para sua idade e do qual “fala para todo mundo com muito orgulho”.

O descanso é destinado a apenas um dia da semana. Atualmente, por causa da BR 135+, que será em janeiro, segue uma rotina mais “tranquila”.

“Não estou participando de muitas provas, para me poupar e dar tempo para o meu corpo reorganizar os músculos. Geralmente, gosto de correr duas ou três provas por mês. Meu técnico me acha doida, bitolada”, comenta e ri.

Goretinha é bastante regrada em sua alimentação, saudável e livre de frituras e guloseimas. Para dar sabor a sua comida, utiliza temperos cultivados em casa.

“No meu cardápio tem muitos grãos, legumes e verduras”, diz a corredora, que passa longe de remédios. “Tenho 62 e não tomo nada. Não tem remédio na minha casa!”

O peso da idade

Embora seja um ícone de vigor e resistência para sua faixa etária e principalmente para as mulheres, Goretinha admite que o passar do tempo pesa nas passadas.

“Não me sinto prejudicada, mas já não é mais a mesma coisa. Ainda termino maratonas em cerca de quatro horas, mas o corpo pede mais controle. Mas nada que me impeça ou atrapalhe, estou bem comigo.”

Ela finaliza com um recado importante: “Gostaria muito que as mulheres mais velhas aderissem à corrida ou a outro esporte. Acho que enquanto você estiver viva, tem direito a tudo. Não existe nada que você não possa fazer”.

Difícil mesmo é permanecer com a procrastinação diante desse exemplo vivo!

Calendário

Encontre um evento de corrida perto de você!

excluir cat: nao, desativa sempre post: nao, ativa sempre post: nao
Compartilhe por email!