Receba nossa newsletter e fique por dentro do mundo do esporte!

Brasil conquista prata histórica no revezamento 4x100m masculino

Foto: Satiro Sodré

Nunca uma prata foi tão dourada. Foi esse o sentimento do time masculino do Brasil no domingo após fechar a final do revezamento 4x100m livre do Campeonato Mundial de Budapeste na segunda colocação e subir ao pódio de uma grande competição depois de 17 anos. A equipe nacional completou a prova com 3min10s34, atrás apenas dos Estados Unidos, campeões com 3min10s06, O bronze foi da Hungria, que nadou a 3min11s99.

Mesmo fazendo uma boa eliminatória e classificando-se à final com o melhor tempo, os brasileiros sabiam que precisavam melhorar ainda mais caso almejassem um lugar no pódio à tarde. E Gabriel Santos, Marcelo Chierighini, Cesar Cielo e Bruno Fratus conseguiram: o tempo total foi de 3min10s34 – na semifinal havia sido 3min12s34.

Gabriel abriu o revezamento, terminando os 100m em terceiro, atrás de Estados Unidos e Hungria, com 48s30. Chierighini fez a melhor parcial (46s85) e encerrou sua participação com o País em segundo; Cielo cravou 48s01 e passou para Bruno Fratus disputar a vitória contra o americano Nathan Adrian. Emparelhado com o rival durante os 100m finais, Bruno garantiu a prata batendo apenas 28 centésimos atrás de Adrian.

O Brasil não subia ao pódio do revezamento 4x100m livre em uma grande competição desde as Olimpíadas de Sidney 2000, em que Fernando Scherer, Gustav Brges, Edvaldo Silva e Carlos Jayme ficaram com o bronze.

 

Leia mais

Ana Marcela é tricampeã mundial dos 25km da maratona aquática

Respirar no final da prova ou não: eis a questão

Dicas para nadar sozinho e evoluir

 

O resultado expressivo vem após os brasileiros não conquistarem nenhuma medalha nas piscinas das  Olimpíadas do Rio de Janeiro, ano passado. Bruno Fratus, em entrevista ao SporTV, festejou a volta ao pódio: “Desde cedo estava falando: vamos colocar o Brasil de volta ao lugar de onde ele nunca deveria ter saído, entre os três melhores do mundo”. Cielo, campeão olímpico, também afirmou ter sido uma “grande conquista”.

O Brasil ainda tem mais chances de medalhas no Mundial de Budapeste. Nicholas Santos e Henrique Martins disputam, nesta segunda-feira, a final dos 50m borboleta com boas perspectivas de subir ao pódio.

 

Calendário

Encontre um evento de natação perto de você!

Compartilhe por email!