Receba nossa newsletter e fique por dentro do mundo do esporte!

Técnicas de natação: como ganhar tempo nas entradas e saídas

No triathlon, para desespero de muitos ex-nadadores, a natação não se limita a um tiro com distância entre 750 e 3.800 metros. Entradas, retornos e saídas são momentos críticos da prova, pois definem os grupos que nadarão e pedalarão juntos, e podem até mesmo excluir da briga pela vitória atletas muito bem preparados fisicamente. A natação em águas abertas pode ser realizada em lagos, rios, no mar ou até em canais artificiais.

No Brasil, a maioria das grandes provas ocorre no litoral, sendo a etapa realizada no mar, com saída na praia. Quanto mais curta a prova, maior a importância de realizar uma boa largada e posicionar–se em um bom grupo, ao passo que nas provas longas o principal é manter um ritmo controlado, sem se desgastar excessivamente nos trechos de areia.

Segundo a sair da água nas Olimpíadas de Atenas 2004, o ex-triatleta e hoje treinador Paulo Miyasiro sempre foi um mestre nas entradas e saídas da natação. Natural de Santos/SP, ele domina como poucos a técnica da golfinhada e o popular “jacaré”, e a seguir conta alguns dos seus segredos para um bom desempenho nessas situações.

Correntes

O ponto mais importante da natação em águas abertas é identificar a presença, o sentido e a intensidade de eventuais correntes. Utilize a corrente para ajudá-lo a chegar até a boia e depois de volta à areia o mais rápido possível — não chegue perto da boia tendo que nadar contra a corrente para contorná-la. Para isso, entre na água antes da largada e verifique a força e o sentido das correntes. Durante a visualização das boias, mire na direção oposta à da correnteza: se ela estiver empurrando para fora, o atleta deve nadar mirando o lado interno na boia, e vice-versa. Assim, o próprio fluxo da água se encarregará de acertar sua direção.

Arrebentação

A segunda questão a ser observada envolve a presença de ondas e o local da arrebentação. Na entrada, é interessante correr o máximo possível — até que a água atinja a altura das coxas, aproximadamente. Então, comece a golfinhar até que a água esteja na altura do peito ou que ele passe a linha da arrebentação — quando, então, deve-se começar a nadar. Confira abaixo o passo a passo da técnica da golfinhada:

– Quando a onda se aproximar, salte e mergulhe de ponta, com os braços sobre a cabeça, em direção ao fundo do mar;

– Quando suas mãos tocarem a areia, preferencialmente abaixo da parte submersa da onda, agarrese ao chão para evitar que a onda o leve para trás;

– Traga o corpo para junto das mãos, apoiando os pés na areia e empurrando para cima e para frente, ligando este salto ao próximo movimento com uma braçada de nado borboleta;

– Repita até que a água esteja profunda o suficiente para iniciar o nado.

Saída

Na saída da água, seja para um retorno ou a caminho da área de transição, as golfinhadas também devem ser utilizadas — no entanto, é preciso saber a profundidade adequada para começá-las, fazendo o reconhecimento do local. Se o mar estiver com ondas, é possível pegar um “jacaré” até a areia, o que proporcionará uma enorme vantagem sobre os competidores que estiverem nadando. O segredo é pegar a onda quando ela estiver se formando, antes de ela estourar. Quando sentir que a ondulação começou a puxar para o fundo do mar, acelere as pernadas e estique o corpo, com os braços à frente e o tronco e a cabeça baixos, como se fosse uma prancha. Alguns atletas preferem ficar com a cabeça alta, olhando para a frente, mas o ideal é levantar o rosto só para respirar, mantendo assim uma posição mais hidrodinâmica.

(Matéria publicada na revista VO2 Bike, edição 103, maio de 2014)

Calendário

Encontre um evento de natação perto de você!

Compartilhe por email!