Receba nossa newsletter e fique por dentro do mundo do esporte!

PUBLICIDADE

Por que sentimos mais vontade de comer doce no inverno?

Foto: Shutterstock

No imaginário popular, o inverno é a estação ideal para se render às tentações gastronômicas e à preguiça. As pessoas sentem mais vontade de comer doce e outros tipos de alimentos calóricos, provocando o ganho de peso e alguma dose de arrependimento.

O Ativo.com conversou com a nutricionista Camilly Fratelli, mestre em ciências pelo programa de pós-graduação em alimentos, nutrição e saúde da Unifesp, para entender as alterações que acontecem no seu corpo com as temperaturas mais baixas e por que existe uma vontade de comer doce maior no inverno.

POR QUE O AÇÚCAR É VICIANTE?

“O açúcar tem um caráter recompensatório. Após ingeri-lo, inevitavelmente, a pessoa tem a sensação de prazer. Isso acontece porque o açúcar promove a liberação da dopamina, neurotransmissor responsável por essa sensação. Entretanto, quanto maior o consumo de açúcar, menor a liberação da dopamina, além de um desequilíbrio entre os hormônios da fome (grelina) e da saciedade (leptina), o que obriga o indivíduo a consumir mais açúcar para ter a mesma sensação de antes, dando início a um círculo vicioso”, explica Fratelli.

POR QUE CONSUMIMOS ALIMENTOS MAIS CALÓRICOS NO INVERNO?

“O que faz as pessoas consumirem alimentos com maior densidade energética (com mais calorias e gordura) no inverno é a tentativa de regulação da temperatura corporal frente a um estresse ambiental”, acrescenta a nutricionista.

 

Leia mais

Sexo antes da corrida: ajuda ou atrapalha?

Menos ressaca, mais corrida: quando os treinos viram "arma" para fugir da noitada

Viciados em endorfina: o poder de transformação da corrida

 

O CONSUMO DE CHOCOLATE

De acordo com a nutricionista Elaine de Pádua, o consumo de 20 ou 25 gramas de chocolate – o equivalente a um tablete pequeno dos principais fabricantes da indústria brasileira – por dia não traz um ganho de peso expressivo.

Já Fratelli prefere recomendar o consumo do chocolate amargo (com mais de 60% de cacau e uma quantidade menor de conservantes), “desde que não se torne um vício”. Ela é taxativa ao apontar o grande vilão da categoria: o chocolate branco, carregado de gordura. 

“No chocolate branco, não há cacau ou massa do cacau em si. Do cacau, só há a presença da manteiga misturada a outros produtos industriais para chegar à formulação final. Há maior quantidade de gordura total e saturada no chocolate branco, mas a diferença é pequena na porção de 25 gramas”, frisa.

O METABOLISMO À NOITE

“À noite, nosso organismo já está se preparando para dormir. Esse descanso é extremamente necessário para o processo de emagrecimento. Com isso, há uma diminuição no ritmo do nosso metabolismo. Hoje o que tem acontecido é uma alimentação desconexa. Indivíduos chegam em casa do trabalho estressados e acabam descontando na comida, comendo mais do que precisam. Não prestam atenção no que consomem enquanto estão vendo TV ou navegando pela internet”, observa Fratelli.

Clube O2

Ofertas com até 54% OFF

Compartilhe por email!