Receba nossa newsletter e fique por dentro do mundo do esporte!

PUBLICIDADE

Maratona de Seychelles: corrida em ilha paradisíaca

Foto: Divulgação

Considerado um paraíso natural, o arquipélago de Seychelles pode ser um ótimo destino para os amantes da corrida. Todo último domingo de fevereiro, é realizada a Maratona de Seychelles (em 2018, a data é 25 de fevereiro), uma prova com distâncias para atletas de todos os níveis e que pode servir de pretexto para você conhecer um dos polos turísticos mais desejados do planeta.

A Maratona de Seychelles foi realizada nos últimos dez anos. O que começou como um evento para pouco mais de 300 pessoas, em um dos menores países do mundo, deve reunir 5.000 atletas no próximo ano. Além da competição em si, o evento ganha popularidade pelos outros atrativos locais, a maioria privilegiando o contato com a natureza.

Seychelles é um arquipélago localizado no Oceano Índico, com 115 ilhas e três idiomas oficiais: inglês, francês e crioulo. A Ilha de Mahé é a principal, onde mora grande parte da população nacional, estimada em 90 mil habitantes, e fica a capital Victoria – a cidade é conhecida como uma das menores capitais de todo o mundo.

É na popular e bela praia de Beau Vallon que os atletas começam e terminam a Maratona de Seychelles. Apesar do nome, o evento promove disputas de 5k, 10k e 21k, além da distância mais tradicional das provas de corrida de rua.
É lá também que toda tarde de quarta-feira é montada uma feira ao ar livre, em que é possível experimentar pratos típicos, conhecer alguns dos muitos temperos locais e o artesanato da região. O mercado municipal de Victoria é outro ponto em que é possível comprovar a variedade de peixes e frutos do arquipélago.

Patrimônio da humanidade

As principais atrações turísticas de Seychelles estão ligadas ao contato com a natureza. E isso fica claro na ilha de Praslin, a segunda maior do arquipélago. Lá está localizado o Vallée de Mai, uma reserva considerada patrimônio natural da humanidade pela Unesco.

Grande parte da floresta é composta por palmeiras gigantes, onde cresce o coco-do-mar, uma semente rara e protegida pelas leis do governo local. “Vale muito a pena contratar um guia para explicar toda a parte da vegetação, dos animais locais e da história das palmeiras gigantes. É imperdível”, recomenda a brasileira Carol Medina, que morou em Seychelles.

Na mesma ilha fica a praia de Anse Lazio. Com rochas de granito, areia branca e mar azul-turquesa, é um dos locais preferidos dos turistas – seja para ver o pôr do sol ou passar o dia relaxando.

A terceira principal ilha de Seychelles é La Digue, onde quase toda a locomoção, de turistas e moradores, é feita de bicicleta. A praia mais famosa da região é Anse Source d’Argent. Ali também é possível avistar tartarugas gigantes, moradoras da região.

O transporte entre ilhas pode ser feito de barco, de helicóptero, ou de avião, com operadores locais de turismo. Outra atividade popular na região é o mergulho, já que as águas claras do mar permitem a visualização de diversas espécies de peixes e, com sorte, até de tartarugas marinhas.

Culinária

Como em todas as regiões litorâneas, a base da gastronomia de Seychelles é composta por peixes e frutos do mar. Muitas vezes eles são acompanhados por arroz e lentilha, em certa semelhança com o arroz e feijão do Brasil. A grande diferença está na variedade de temperos utilizada.

O arquipélago de Seychelles foi colonizado por ingleses e franceses e recebeu também grande influência asiática. A cozinha creole, como é chamada, mistura tudo isso e tem sabores que combinam o doce e o (muito) picante.

“Em Victoria há um restaurante chamado Marie Antoinette, com um bufê com pratos típicos em que você pode provar um pouco de cada coisa”, indica Carol. Quem tiver um pouco mais de coragem, pode experimentar o roussette, um prato feito a partir de um morcego frugívoro.

Hospedagem

Seychelles é um destino ideal para quem quer relaxar. Não à toa, há resorts repletos de serviços aos turistas. É nos hotéis também que se encontram alguns dos melhores bares da região, para quem quiser experimentar o rum local Takamaka.

A maioria das acomodações fica nas três principais ilhas (Mahé, Praslin e La Digue), mas há opções também a quem busca mais exclusividade e experiências diferentes, em outros pontos do arquipélago.

Entrada fácil

Brasileiros não precisam de visto para conhecer Seychelles, mas é necessário ter acomodação garantida e voo de saída do país já reservado. É obrigatório também apresentar comprovante internacional da vacina contra a febre amarela, que deve ser tomada pelo menos 10 dias antes da viagem.

A moeda local é a rúpia de Seychelles, que só é encontrada no arquipélago. Por isso, em muitos estabelecimentos comerciais, é possível pagar com cartão de crédito, dólares americanos e até euros.

Esporte, romances, praias paradisíacas e uma cultura única. Existe uma experiência diferente em Seychelles para cada visitante. Descubra a sua.

Compartilhe por email!