Receba nossa newsletter e fique por dentro do mundo do esporte!

PUBLICIDADE

Após acidente gravíssimo, Tim Don correrá na Maratona de Boston

Foto: Divulgação

Em menos de um ano, Tim Don foi do céu ao inferno. Cinco meses depois de destruir o recorde mundial de Ironman em Florianópolis, o americano sofreu um acidente gravíssimo enquanto treinava ciclismo. Por um milagre, ele sobreviveu à fratura na vértebra C2. Após um semestre, o atleta está na fase final de recuperação e fará sua reestreia nos esportes dentro de um dos maiores palcos possíveis: a Maratona de Boston.

Depois do acidente, uma colisão com um carro em Kona, no Havaí, Don poderia ter falecido ou ficado tetraplégico. Sua fratura é similar à sofrida em um enforcamento, e poderia tê-lo deixado sem ar logo após o impacto.

 

Tim Don
Em destaque, a vértebra fraturada por Tim

 

De alguma forma, Tim Don teve o privilégio de escolher entre duas opções: uma cirurgia que unisse suas vértebras e comprometeria sua mobilidade para sempre, ou usar um halo de proteção em sua cabeça e pescoço. Apesar da dor excruciante, o triatleta escolheu a segunda opção. Quatro parafusos foram inseridos em sua cabeça para sustentar a estrutura e durante três meses, com a mobilidade limitadíssima, o sofrimento o colocava à beira do desmaio em várias ocasiões.

Para quem foi atleta por quase 20 anos, um período tão longo sem conseguir se vestir ou tomar banho é uma eternidade. Às vezes, ele dizia para sua esposa que iria arrancar a grade com as próprias mãos. Mesmo assim, sua motivação, a mesma que garantiu um título mundial de triathlon e cinco vitórias no Ironman, permanece idêntica: “Se eu vou me recuperar, eu vou mesmo me recuperar. Eu vou puxar meus limites e voltar o mais cedo possível, e vou tentar voltar ainda melhor do que antes”, ele disse ao New York Times.

 

Leia mais

Juan Dual: o corredor sem órgãos digestivos que não teme a morte

Promessa do triathlon, Taynara Bonetti mira Mundialdo 70.3

Prótese para paratleta no Brasil: artigo de luxo?

 

O retorno não foi nada fácil. John Dennis, seu fisioterapeuta de confiança, teve de “pensar fora da caixa” para conseguir manter a forma física de Tim Don em um nível competitivo. O começo dos treinamentos focou totalmente na parte inferior do corpo, com o uso de uma bicicleta ergométrica.

 

……..and so it begins 10 minutes cycle at 80watts 👊🏁 #trainhardraceeasy #haloC2 #nevergiveup 📸 @kelly_don_79

Uma publicação compartilhada por Tim (@tri_thedon) em

Com a volta gradual dos movimentos, o atleta começou a pegar pesado nos treinamentos, chegando ao ponto de perder os sentidos devido à pressão dos parafusos em seu crânio. Tim tirou o halo e já está na marca de 20 horas de treino semanais — um número notável, mas ainda distante das usuais 30 horas. “Eu tinha algumas dúvidas sobre Boston. Pensamos que poderia ser cedo demais para isso, mas nada mais me surpreende agora”, declarou o fisioterapeuta.

Tim pretende completar a Major (marcada para este 16 de abril) em menos de 2h50min e já mira um Ironman em julho. Apesar de não conseguir movimentar o pescoço para respirar durante o nado, e de ainda existirem dúvidas sobre os impactos do esporte em sua saúde, ele segue confiante: “Eu sei que preciso tentar porque estamos todos tentando ser mais rápidos do que os outros, e enquanto eu estou aqui, eles vão tentar quebrar meu recorde mundial. Não quero ser o segundo melhor do mundo. Eu quero ser o melhor, não importa o que custar. Quero dizer, se eu quebrar meu pescoço de novo, eu não poderia fazer isso de novo.”

 

excluir cat: nao, desativa sempre post: nao, ativa sempre post: nao
Compartilhe por email!