Receba nossa newsletter e fique por dentro do mundo do esporte!

Como melhorar sua técnica nas modalidades do triathlon

Todos nós podemos obter melhores resultados no triathlon melhorando a nossa técnica na natação, no ciclismo e na corrida, mas o processo real de mudança não é tão fácil, pois o objetivo é fazer com que qualquer mudança seja uma mudança permanente. Mas, por que é difícil mudar a forma como executamos uma modalidade?

Qualquer movimento que fazemos é controlado pelo nosso cérebro, que envia uma série de mensagens para os nossos músculos dizendo-lhes para contrair em um determinado padrão, a fim de trazer o movimento. Isso é o que chamamos de padrão motor. Nós, como seres humanos, somos feitos para aprender e nos adaptarmos. Uma vez que aprendemos algo, isso fica gravado e é muito difícil desaprender ou mudar.

Um bom exemplo disso está no aprendizado para andar de bicicleta. O simples processo de aprender a andar de bicicleta, que normalmente aprendemos quando crianças, fica registrado em nosso cérebro. Podemos passar anos sem pedalar, mas quando voltarmos a tentar não teremos nenhum problema, o nosso cérebro lembra-se do processo e mesmo que com uma pequena dificuldade inicial, logo conseguimos.

Se pensarmos como triatletas, realizamos a natação, o ciclismo e a corrida várias vezes por semana, e certamente estamos construindo uma memória muscular muito profunda em nossos cérebros que vão ser muito difíceis de serem modificadas.

Como fazer uma mudança

Se quisermos fazer uma alteração técnica em qualquer modalidade do triathlon, o primeiro ponto é deixarmos de executar os padrões motores atuais de uma determinada atividade. Se, por exemplo, for a técnica de corrida que queremos mudar, então, um período de 3 a 4 semanas longe dessa atividade seria prudente antes de começar a trabalhar sobre as mudanças e, em seguida, devemos nos certificar de que teremos várias semanas disponíveis sem nenhum outro objetivo além dessa aprendizagem da nova técnica.

Após essa ruptura que foi feita, o ideal é quebrarmos a técnica em movimentos menores. Se estamos trabalhando a corrida, podemos ter como objetivo correr com uma amplitude de passos mais curta, fazendo com que nossos pés aterrizem sob o nosso centro de gravidade, em vez de uma passada longa, realizada por muitos atletas. Essa técnica é muito econômica para os triatletas e deve ser olhada atentamente.

Para fazer essa alteração eu procuro quebrar o movimento desejado em 3 seções e, em seguida, passar por esses movimentos de forma isolada para começar a construir os novos padrões para o cérebro sem realmente executar a ação de corrida completa. Este processo só precisa ser feito por alguns poucos dias antes de se entrar em atividade novamente.

Usar um espelho é muito importante quando se realiza esses exercícios para garantir que estamos realmente fazendo o que queremos. O que achamos que estamos fazendo e o que realmente estamos fazendo pode ser muito diferente. Como um exemplo em relação à técnica de corrida, podemos olhar para o que queremos que o pé faça após o impacto com o solo até que ele comece a avançar para o próximo passo:

– Posicione-se como se realmente fosse correr
– Levante uma perna diretamente do chão e puxe sob o corpo
– Tornozelo deve ficar alinhado com o apoio da perna durante todo o movimento
– Permita que a gravidade traga a perna de volta à posição inicial
– Os isquiotibiais devem ser responsáveis por esse movimento
– Repita 30 vezes e, em seguida, altere as pernas

Este processo de construção de novos padrões de movimento podem ser feitos 2 a 3 vezes por dia e só vai demorar alguns poucos minutos. Nunca faça por períodos prolongados, pois com a fadiga seu corpo tende a voltar para os velhos padrões de movimento. Executando esses exercícios logo na parte da manhã e a última coisa à noite irá acelerar o processo de aprendizagem!

Como colocar os movimentos completos em prática

Uma vez que tenhamos praticado vários dias para aprender nossos novos movimentos, podemos pensar em colocá-los em plena atividade. É vital que você comece devagar, com curtos períodos de atividade, a fim de manter a boa técnica e ainda construir o movimento em seu cérebro para substituir os antigos padrões.

Usando a corrida como um exemplo, isso pode ser feito em uma série alternando 1 minuto de corrida com 1 minuto de caminhada. Ter alguém olhando para se certificar de que a técnica é a desejada ajuda muito nesse momento. Tal como acontece com os educativos, temos que parar antes que a fadiga se instale ou corremos o risco de reversão para técnica antiga.

Avance na construção da técnica lentamente a partir deste ponto e em pouco tempo você estará de volta ao volume completo de treinamento com a sua nova técnica solidamente definida e pronto para melhorar o desempenho. O mesmo vale para a natação e o ciclismo, garantindo uma evolução no triathlon como um todo.

 

Leia mais

Triathlon indoor ajuda a complementar treino

Quiropraxia: saída contra desconfortos musculares

Conheça Melissa Stockwell, a triatleta que superou a guerra

Compartilhe por email!