Receba nossa newsletter e fique por dentro do mundo do esporte!

PUBLICIDADE

Corredor é condenado na França por usar camisa com nome de Bin Laden

Camisetas, tênis e até mesmo legging para homens. É fato que algumas vestimentas de corrida de rua são bastante discutidas. Entretanto, até onde essa discussão pode chegar? Em Caen, na França, Chakib Limane, 34, foi preso em junho e condenado a cumprir 6 meses de prisão por utilizar peças de roupas consideradas provocativas. 

Segundo o jornal francês Le Parisien, Limane foi condenado à prisão por suas preferências de camiseta. O estilo fora do comum do corredor, que optava por roupas de futebol personalizadas com nomes de figuras consideradas perigosas, como Ali Hassan al-Majid ( assessor de Saddam Hussain e  conhecido como “Chemical Ali”) e do ex-comandante do estado supremo talibã, movimento fundamentalista islâmico, Mohammed Omar, foi considerada ilegal pelas autoridades francesas. 

A iniciativa de investiga-lo começou quando Limane foi visto em uma loja de artigos esportivos com o desejo de personalizar sua camiseta do Barcelona com o nome de Osama Bin Laden, ex-líder e fundador da Al-Qaeda, nas costas. Por conta dessa atitude suspeita, a polícia francesa contra o terrorismo decidiu averiguar a casa do corredor. Nessa visita ao francês, os policiais encontraram sua polêmica coleção de roupas, além de outras fotos de Bin Laden e arquivos relacionados em seu computador, como um “vídeo jihadista”.

 

Leia mais

98,9% dos participantes completaram a Maratona de Nova York

Maratona de Buenos Aires tem data trocada

Maratonista brasileiro lança movimento para doação de medula óssea

 

Em sua defesa, Chakib Limane alegou usar essas camisetas provocativas para ver como as pessoas reagiriam. Seu advogado seguiu a mesma linha e disse para que os juízes interpretassem a diferença entre ele ser um terrorista e uma pessoa que tem simpatias por eles. Porém, apesar dos argumentos de inocência, o polêmico francês não conseguiu eliminar sua pena de 6 meses. 

Em 2013, uma situação semelhante terminou com o mesmo desfecho. Uma mãe levou para escola seu filho Jihad, 3, para escola vestindo uma camiseta com o nome “Eu sou homem bomba”, na frente, e “Nascido em 11 de setembro”, nas costas. A mãe do garoto foi condenada por 1 mês e mais uma multa de €2.000, enquanto o tio do rapaz, que comprou a camiseta, teve uma sentença de 2 meses e €4.000 de multa.

 

 

Clube O2

Ofertas com até 54% OFF

Compartilhe por email!