Receba nossa newsletter e fique por dentro do mundo do esporte!

PUBLICIDADE

Atletas transgêneros: uma grande transformação no esporte

Uma nova ordem mundial com tônicas sociais de empoderamento feminino e inclusão da comunidade LGBT+ ganha cada vez mais espaço e protagonismo na sociedade. O mundo vive uma nova era e mudanças significativas e rápidas transformam a sociedade com um olhar voltado para as questões sociais, de igualdade e relacionadas às minorias.

Não poderia ser diferente no esporte e a discussão da participação de transgêneros no ambiente competitivo ganha manchetes. O debate já acontece nas pistas e nas universidades, e não há mais como negá-la. Mas isso não converge para o consenso no assunto, ainda mais quando o tema envereda para o esporte competitivo de alto rendimento.

Se é um avanço pelo lado social, a entrada de atletas transgêneros — principalmente de mulheres trans na disputa com as mulheres cisgêneros — pode acabar ou desregular de vez o esporte feminino. Portanto, o assunto precisa de mais aprofundamento, estudos científicos para a formulação de uma regra clara e justa que leve à perpetuação do ambiente competitivo sem trapaças no esporte, seja profissional, seja amador.

Quando questionada sobre a participação de mulheres trans na disputa feminina, Carmem de Oliveira, maior corredora de rua profissional da história do Brasil (que, entre muitos feitos, se notabilizou por ser a primeira brasileira a vencer a Corrida Internacional de São Silvestre), diz: “Pouco poderia contribuir sobre o tema, sou do tempo em que se fazia o exame e, se desse negativo, você era mulher. Positivo, não era mulher e parava aí”.

E meio que baseada nessa observação racional, ainda que simplista, é que a maioria da comunidade científica se embasa para ter ressalvas na participação de trans versus cis: o passaporte biológico que os transgêneros carregam.

“A entrada da disputa trans x cis deve mudar bastante o esporte feminino”, opina Gerson Leite, Ph.D. em fisiologia do esporte. “Atletas transgêneros que tiveram carreira como atleta masculino, depois de um ano do tratamento mínimo exigido para a ressignificação sexual, passam a disputar com mulheres e, em alguns casos, isso pode se tornar injusto.” É preciso continuar estudando caso a caso. “Não é definitivo. Daqui a cinco ou dez anos a gente vai ter uma definição melhor para que as coisas fiquem mais equiparadas”, avalia Gerson Leite.

Algumas disputas, entretanto, acabam nos tribunais, o que levou a World Athletics a se voltar para o tema em 2019 e iniciar a regulamentação do assunto no atletismo e corridas de rua ao redor do mundo. Dirigentes das principais entidades esportivas mundiais trabalham para implementar mudanças neste provável cenário inclusivo. O assunto é polêmico e a discussão para que o esporte seja justo está longe do final.

Disputa entre gêneros

Adolescente mais rápida nos 55 metros rasos da Canton High School, em Connecticut, a atleta escolar Chelsea Mitchell e mais duas corredoras estão processando a Conferência Atlética Interescolar de Connecticut (órgão governamental responsável pelos esportes colegiais e ligado a vários conselhos locais de educação), tentando bloquear uma política local que permite que atletas do ensino médio compitam com base no sexo com o qual se identificam.

O argumento é que as meninas transexuais têm vantagem física. A estudante Terry Miller, da Bloomfield High School, se identifica como mulher trans e foi uma das atletas que levaram Mitchell e suas amigas a entrarem com a ação no início do ano. Apesar das queixas, Mitchell já venceu seu algoz Miller em duas oportunidades depois que entrou com a ação.

Além de Terry Miller, Andraya Yearwood é a única outra atleta transgênero que atua em pistas em Connecticut, e igualmente alvo da ação. As duas corredoras recebem terapia hormonal como tratamento para a disforia de gênero, e ambas têm níveis hormonais aceitos, “incluindo níveis de testosterona típicos de meninas não transgêneros”, garantem seus advogados em documentos judiciais.

No Brasil, apesar de ainda raro, um caso ocorrido na Adidas Boost Run São Paulo, em 2019, trouxe o assunto à tona, e a corrida não acabou na linha de chegada. Na verdade, não acabou ainda. Provavelmente, foi a primeira vez na história das corridas de rua do Brasil que uma transgênero subiu ao pódio e recebeu o prêmio. A protagonista do episódio é Dyosefan Rocha, de 25 anos, natural de Estrela do Indaiá, uma pequena e bucólica cidade no interior de Minas Gerais, cuja paisagem é dominada por sua igreja matriz em frente à praça principal. A jovem mineira, dias antes de a World Athletics apresentar o Regulamento da Elegibilidade sobre Atletas Trans, havia sido vice-campeã da Boost Run e não só subiu ao pódio como levou a premiação, estimada em R$ 6 mil, para casa.

Adriana Domingos da Silva, que foi a segunda mulher cis da corrida, teria de se contentar com o terceiro lugar no pódio. Isso se não se recusasse a formar o pódio junto à campeã e à vice, Dyosefan. A atleta fez uma reclamação formal ao árbitro da Federação Paulista de Atletismo. Seguindo as regras vigentes até então, a arbitragem solicitou a desclassificação da atleta transgênero da prova — o que não foi aceito pela Adidas.

“Não aceitamos o terceiro lugar”, disse Mariano Moraes, treinador de Adriana. “A sociedade deve tratar a inclusão dos atletas transgêneros dentro do esporte longe de qualquer tipo de preconceito, sempre no sentido de acolhimento”, explica Moraes, “mas dentro do que dispõem as determinações das entidades competentes.”

Do outro lado, Dyosefan não vê razão para polêmica. “Eu me sinto mulher, independentemente do corpo e da vida que tenho. Respeito-me e me aceito, foi tudo como sentimento e sensação”, diz ela. A Adidas Boost Run, que, coincidentemente, teve Pablo Vittar como atração do show pós-corrida, pode se tornar histórica também por inaugurar a questão de gêneros nas provas brasileiras.

Leia mais

Corrida e cinema: 10 filmes perfeitos para corredores

42 km de emoção em Nova York

Dicas essenciais para os corredores-viajantes

Nova era na inclusão e empoderamento no esporte

Com o aumento de casos de participação de atletas trans ao redor do mundo em diversas modalidades, alguns expoentes da elite mundial deram suas opiniões. Uma das vozes mais contundentes no assunto foi a ex-recordista mundial da maratona, a inglesa Paula Radcliffe. Ela se mostrou incomodada e classificou de “injusta com as mulheres” a decisão da Boston Athletic Association em aceitar transgêneros na competição.

Para se ter ideia, homens cis com idade entre 18 e 34 anos precisam ter o índice mínimo exigido de 3h05min para participar da Maratona de Boston. Mulheres (biológicas ou trans) da mesma faixa etária têm índice de 3h35min. Para agravar essa situação, existem inúmeros relatos de vários corredores homens cis que se inscreveram na categoria feminina, tirando vagas de mulheres que lutaram muito para obter o índice feminino. O debate vai além da trapaça pura e simples de homens não transexuais se inscrevendo como mulheres e se amplia com a suposta vantagem biológica que transgêneros possuem sobre as mulheres cis.

A World Athletics lidera movimento

Em outubro de 2019, um grupo de federações internacionais se reuniu na sede da World Athletics, em Lausane, na Suíça, e discutiram junto a personalidades de campos multidisciplinares, formados por atletas cis e transgêneros, caminhos para chegar a um consenso sobre o estabelecimento de regras que permitirão que atletas trans entrem na competição feminina de elite. A reunião chegou a alguns pontos consensuais que podem mudar definitivamente o esporte feminino, já que as federações são quem determina o que pode ou não ser feito.

A World Athletics afirma estar “comprometida com oportunidades justas e iguais para atletas do sexo feminino e que a inclusão de mulheres trans na categoria deve ser promovida com padrões significativos de elegibilidade, desde que isso não crie injustiça intolerável. A entidade vai usar o fator testosterona para identificar o hiato de desempenho entre homens e mulheres e será ela, a testosterona, que vai balizar as decisões”.

A transição cis x trans

O novo regulamento da World Athletics, ponto inicial da inclusão às regras internacionais, é que o atleta transgênero comprove o limite fixo igual ou inferior a 5 mmol/L de testosterona, sendo esse o fator balizador oficial. Para se fazer tratamento médico e clínico profissional de “transição para mulher” e até chegar à cirurgia de “ressignificação sexual” é necessário um longo e oneroso investimento.

A “transição” pode levar até dez anos de tratamento ininterrupto. Os custos relativos a hormônios que serão administrados ao longo da vida são permanentes. “Essa proposta da World Athletics é interessante, ou seja, ficar um ano com a testosterona baixa, mas acredito também que isso não seja igualitário”, diz o fisiologista Gerson Leite. “Entendo que uma ‘solução’ para a inclusão das atletas trans na competição seria um processo não só de diminuição da testosterona, mas também de destreino da atleta”, defende Leite. “Seria obrigatório ficar de seis meses a um ano sem treinar para gerar atrofia muscular, para gerar desequilíbrio nas adaptações fisiológicas que foram causadas quando essa pessoa ainda era homem. Depois desse um ano com testosterona baixa e destreino, ela começaria a treinar novamente”, conclui o fisiologista.

Uma pessoa que nasceu homem e treinou por 20 anos com testosterona altíssima acaba tendo, no longo prazo, um efeito de treinamento muito maior do que uma mulher que treinou durante o mesmo tempo. Depois de um ano com a testosterona baixa, apesar de estimular tanto o aumento de massa muscular (uma das principais funções da testosterona), ainda há o histórico da força e potência muscular desenvolvida nos 20 anos como atleta masculino.

O assunto transgênero no esporte ganhou relevância no noticiário internacional e nas redes sociais. É polêmico e há uma forte polarização de opiniões na sociedade em relação ao tema. Há os radicalmente contra, há os favoráveis irrestritos e há os favoráveis com ressalvas.

O tema também enveredou para o campo ideológico entre grupos conservadores e progressistas, o que faz com que muitas vezes o assunto, de base científica, enverede para discussões sociológicas, de comportamento, de inclusão e empoderamento. A equação é complexa. o nó a ser desatado, mais complicado ainda.

 

Calendário

Encontre um evento de corrida perto de você!

Clube O2

Clube O2 + Mochila de Hidratação!

excluir cat: nao, desativa sempre post: nao, ativa sempre post: nao
Compartilhe por email!