Receba nossa newsletter e fique por dentro do mundo do esporte!

PUBLICIDADE

Entenda como funciona a conexão entre o cérebro e o intestino

Foto: Shutterstock

Hipócrates, o pai da medicina, disse há cerca de 2 mil anos que “todas as doenças começam no intestino”. Entretanto, apenas recentemente a frase milenar ganhou peso na relação entre alimentação e emoções.

O intestino é fundamental na transmissão e no controle de informações dentro do organismo. Ele libera mais de 30 mensageiros químicos, os neurotransmissores, que conduzem informação de um lado para o outro, além da comunicação entre corpo e cérebro.

Com um sistema próprio, ele funciona de forma independente do cérebro para liberar as substâncias digestivas para o processo de excreção do bolo fecal. Apesar de sua principal função ainda ser o controle do processo de digestão e excreção, ele também atua na regulação dos anticorpos e “decide” quais bactérias moram dentro de nós.

Como o intestino opera como segundo cérebro

Entenda como funciona a conexão entre o cérebro e o intestino

Comer para ser feliz e ter um intestino feliz

Apesar de ser verdade que o que comemos pode nos deixar felizes ou tristes, é possível moldar nossas emoções se fizermos escolhas
mais saudáveis — de dieta e estilo de vida. Por exemplo, uma alimentação rica em gordura está associada à proliferação de bactérias ruins, o que prejudica a flora intestinal e, portanto, afeta o intestino. Por sua vez, uma alimentação rica em fibras solúveis e vegetais ajuda a nutrir as bactérias boas.

O que você provavelmente já sabe, é que a comida é capaz de ajudar a aumentar os níveis de serotonina no cérebro. Aquele sentimento de satisfação após comer um docinho é “culpa” dela.

Leia mais

A relação entre as cores dos alimentos e as estações do ano na nossa saúde

Alimentos anti-inflamatórios e outras dicas para combater a inflamação

Além da laranja: outros seis alimentos ricos em vitamina C

“Invista em alimentos ricos em cálcio e magnésio, que estimulam a produção de triptofano, o aminoácido precursor da serotonina”, sugere a nutricionista Mariana Regadas (SP).

Uma vida estressante, com excesso de consumo de remédios, falta de atividade física e má alimentação, prejudica a flora intestinal. “Podemos também olhar a conexão intestino-cérebro por outro ângulo: uma pessoa que não come bem, tem prejuízo das funções mentais mais sofisticadas, como memória, atenção, concentração e humor”, explica Alexandre Feldman, clínico geral e especialista em medicina do estilo de vida, de São Paulo (SP).

“Colite, enxaqueca, depressão, pânico, intestino irritável, comportamento agressivo, autismo, distúrbio bipolar e doenças autoimunes estão cada vez mais frequentes, segundo as estatísticas. E tudo isso tem a ver com o que você come”, completa o clínico geral.

Frio na barriga 

Sabia que aquela sensação de borboletas no estômago também está ligada com essa conexão entre cérebro e intestino?

“Os neurônios que estão no intestino se comunicam com o cérebro por meio do nervo vago, uma estrutura que passa pelo tórax e liga o sistema gastrointestinal à cabeça. É por isso que, diante de uma situação de ansiedade ou estresse, sentimos frio na barriga ou vontade de ir ao banheiro”, esclarece Feldman.

E aí, ainda duvida de que você é o que come?

 

*Fontes: Dr. Alexandre Feldman, clínico geral, especialista em enxaqueca e medicina do estilo de vida; O segundo cérebro, de Michael D. Gershon (Editora Campus); O cérebro desconhecido, de Helion Póvoa (Editora Objetiva, 2002); “Neuro-immune interactions drive tissue programming in intestinal macrophages”, artigo publicado na Revista Cell.

excluir cat: nao, desativa sempre post: nao, ativa sempre post: nao
Compartilhe por email!