Receba nossa newsletter e fique por dentro do mundo do esporte!

PUBLICIDADE

Piscina salinizada: alternativa contra a exposição ao cloro

Foto: Shutterstock

Em crescimento no Brasil, a piscina salinizada tenta combater um inimigo, muitas vezes, invisível: o cloro das piscinas. O elemento químico, utilizado no tratamento da água, pode causar irritação na pele, nos olhos e nos tecidos do aparelho respiratório.

Presente em algumas academias das principais capitais brasileiras, a piscina salinizada é comum na Europa e nos Estados Unidos e tem a mesma composição que um soro fisiológico – água e sal.

Com uma concentração menor de sal do que a água do mar, seu tratamento ainda utiliza cloro, mas de uma forma diferente.

“A diferença é que na piscina salinizada o cloro é retirado da molécula do sal e liberado na água”, explica o médico do esporte Thiago Righetto.

A reação acontece a partir de uma passagem de corrente elétrica e é chamada eletrólise. Assim, a própria água previamente salgada produz hipoclorito de sódio, um cloro natural.

Leia mais

Que tipo de nadador você é?

14 dicas para manter a motivação

Dicas para nadar sozinho e evoluir

Quem se preocupa com desempenho não precisa temer. Segundo Righetto, não há diferença de rendimento de atletas em piscinas salinizadas, apesar da diferença da composição do tratamento.

“Nenhum estudo demonstrou melhor desempenho nas piscinas tratadas com sal comparando a outros tipos de tratamento, mas alguns nadadores se sentem melhor nadando em uma piscina salinizada”, afirma o médico.

Diferenças para a saúde

A principal diferença entre a piscina salinizada e a tratada com cloro, portanto, é a experiência proporcionada ao atleta.

“Indivíduos expostos ao cloro da piscina podem desenvolver problemas de pele, olhos e aparelho respiratório, além de apresentarem maior risco para desenvolver alergia respiratória como rinite e asma”, explica Márcia Kii, médica otorrinolaringologista.

Entre as principais queixas de quem nada em piscina com cloro, a médica cita irritações no nariz e dificuldade em respirar, alergia na pele e nos ouvidos, ardor nos olhos e, em alguns casos, dor de cabeça e vômitos.

“Ainda assim, a piscina de sal não contém os minerais comumente encontrados no mar”, explica a médica.

Piscina salinizada: alternativa para os perigos da exposição ao cloro
O sal da água do mar contém minerais como magnésio, potássio, cálcio que podem trazer benefícios para o organismo, incluindo o equilíbrio da pele

Como nem todas as academias trabalham com o gerador salinizado, às vezes é impossível fugir do cloro. Mas alguns cuidados simples podem diminuir o incômodo.

Como minimizar o efeito do cloro da piscina no corpo

  • Não deixe de usar os óculos para natação, mantendo-os higienizados;
  • Tome banho imediatamente após a natação, preferencialmente com sabonetes neutros e evite banhos muito quentes;
  • Higienize o nariz logo após a natação, pingando soro fisiológico em cada narina;
  • Seque os ouvidos apenas com uma toalha ou lenço macio;
  • Se a piscina se localizar em local fechado, procure ficar neste ambiente o mínimo possível;
  • Hidrate-se;
  • Mantenha dieta equilibrada e inclua alimentos ricos em vitaminas e sais minerais.

Além da piscina salinizada

A piscina salinizada é apenas uma das alternativas existentes para evitar os problemas causados pelo cloro. Outra é a piscina tratada com ozônio.

“Ele é um forte antioxidante, e com isso consegue combater as bactérias da água. Porém, como evapora rápido, é necessário manter uma quantidade pequena de cloro na água para combater uma possível proliferação dos germes pela baixa concentração”, explica Righetto.

Menos popular, o tratamento é baseado em um sistema elétrico que transforma o oxigênio do ar em ozônio e purifica a água.

Outra alternativa é o tratamento da água com gás carbônico, ainda pouco popular no Brasi.

Posso ter uma piscina salinizada em casa?

Apesar de a maioria das piscinas salinizadas estar em academias especializadas em natação, é possível ter uma em casa. Esse tipo de equipamento exige um investimento inicial mais alto do que a piscina convencional, mas geralmente tem custo de manutenção menor.

O gerador, nome do equipamento que faz a eletrólise, é encontrado em lojas especializadas, e sua instalação pode ser feita em qualquer sistema de filtragem sem a necessidade de obras.

É importante notar que como a piscina salinizada está ligada ao seu modo de funcionamento e precisa de uma bomba constante, os gastos com energia podem aumentar.

*Fontes: Thiago Righetto, médico ortopedista com especialização em traumatologia do esporte e cirurgia do joelho; Márcia Kii, médica otorrinolaringologista do Instituto Ganz Sanchez

Calendário

Encontre um evento de natação perto de você!

Clube O2

Já garantiu sua Jaqueta do Clube O2?

excluir cat: nao, desativa sempre post: nao, ativa sempre post: nao
Compartilhe por email!